120.

20
BLOG
DO TORCEDOR – Aniversário da Nossa Maior Paixão nesse 15 de novembro. Estamos
todos de parabéns. E como festa é festa, temos que ser humildes em admitir e
parabenizar não só os rubro-negros de nascença, essa gente de amor
incondicional que é feliz pelo simples e complexo fato de Ser Flamengo, como
também não esquecer da arcoirizada. Essa povo que as vezes até mais do que nós,
pelo fato de serem eternamente assombrados pelo nosso Gigantismo Nato, acorda,
almoça, janta, respira e dorme Flamengo.
O
Flamengo é de todos. Pra ser amado e odiado na mesma intensidade, de acordo com
o lado da divisão que a pessoa nasce. Simples assim.
Tudo
bem que esse nosso ano de número 120 não foi dos mais interessantes nos campos.
Fora nossos títulos contábeis promovidos pela diretoria-consciente-e-perdida
(azul ou verde) e as alegrias promovidas pelo Fla Basquete, o carro-chefe da
nossa paixão, de forma resumida e direta, o elemento que realmente nos fez
Flamengo, o nosso time de futebol, passou um 2015 assim-assim, sem arrumar nada
e com participação discreta no Brasileirão. E ainda que seja louvável saber que
nossos anos ruins são infinitamente melhores que dos nossos rivais mais
próximos, habituados a frequentar (e no caso do fluminenCe, também driblar) divisões
menores do futebol nacional, não tem como não lastimar um ano sem volta
olímpica e sem adrenalina.
Pouco
importa. O Flamengo é maior que desempenhos, jogadores, diretorias. O Flamengo
somos nós. Todos nós que já estamos pensando na próxima temporada e SABENDO que
vamos ganhar tudo. Por mais que a realidade venha depois e nos negue toda essa
nossa soberania, o que importa mesmo é a nossa soberba. Esse sentimento de
superioridade que tanto irrita quem nos odeia.
Dia
desses, pela milésima vez, fui questionado do porquê de levar essa vida besta
de sacrifício físico e financeiro para acompanhar o Flamengo de perto. Aquele
velho e ranzinza argumento de que estar lá não vai influenciar no resultado do
jogo. O tradicional e enganoso “O Flamengo não precisa de você”. E
não precisa mesmo.
Cada
um ao seu estilo. Indo aos jogos, vendo tudo pela TV, colecionando camisas e/ou
objetos, reclamando, amando sem olhar resultados, protestando, debatendo
política, votando, provocando os adversários, cantando na arquibancada ou no
bar. Nós todos é que precisamos do Flamengo. Por mais que o clube precise da
nossa grandeza numérica para exercer sua superioridade, ou que necessite do
nosso dinheiro do plano ST para seguir traçando novos rumos, a verdade é que
sem um ou outro de nós o Flamengo segue seu caminho. Agora… Para muitos de
nós o trecho do hino reflete a realidade de forma inquestionável.
“UM
DESGOSTO PROFUNDO SE FALTASSE O FLAMENGO NO MUNDO”
Sorín

COMENTÁRIOS: