Com edema, Olivinha mantém humor e descobre ‘lado Fratus’.

11

GLOBO
ESPORTE – De um dia para o outro, a contagem de cestas foi trocada pela de
ladrilhos. O diagnóstico inesperado de um edema ósseo na fíbula da perna
direita levou Olivinha para a piscina. Embora torça o nariz para a solidão
dessa parte do tratamento, o ala-pivô brinca que está descobrindo seu
“lado Bruno Fratus”. A recuperação é estimada, no mínimo, em três
semanas. Até lá, a rotina passará longe da quadra.  


Estou só fazendo academia (membros superiores), fisioterapia e nadando. É uma
coisa nova para mim isso de contar ladrilho (risos). Complicado… Mas é bom
para dar uma relaxada e desestressar um pouco. Estou precisando. Estou vendo o
meu lado Bruno Fratus (medalhista de bronze nos 50m livre no Mundial de Kazan).
Temos que marcar uma disputa (risos). Ele é um cara muito bacana, foi meu
parceiro nos tempos em que eu defendia o Pinheiros, jogava videogame comigo. Eu
agora tenho que ter bastante paciência. Não adianta apressar o processo porque
pode piorar mais na frente – disse.
Na
sexta-feira, Olivinha teve de se contentar com a condição de espectador na
vitória do Flamengo sobre Rio Claro. Pouco antes, havia se dedicado a mais uma
sessão de fisioterapia. Ele lamenta que os últimos meses tenham sido marcados
por uma sequência de lesões. Nunca havia passado por situação semelhante na
carreira. Depois de ter cumprido os compromissos com a seleção brasileira, no
Pan de Toronto e na Copa América do México, tirou 10 dias de folga. Estava
prontinho para iniciar mais uma temporada com a equipe da Gávea, até ser
freado.
– No
primeiro dia que voltei, com 20 minutos de treino travei as costas. Fiquei
quatro dias parado e quando retornei, senti a região lombar. Tratei e, na
volta, tive um estiramento no músculo posterior da perna esquerda. Voltei um
dia antes do jogo contra o Orlando Magic (pelo NBA Global Games). Depois, um
dia antes do jogo de estreia no NBB contra o Bauru, escorreguei e virei o
tornozelo. Estou tendo todos os problemas que nunca tive durante a carreira
nesses últimos dois meses. 
Pensando
que o incômodo fosse resultado de uma entorse no tornozelo, Olivinha atuou nas
duas primeiras partidas do NBB 8. Contra o Bauru, ficou em quadra por apenas
2m59s. Diante do Franca, atuou por 17m46s.
– Eu
não esperava que fosse um edema, mas só uma torção que aconteceu no treino
antes da estreia. Só que o exame acusou isso, infelizmente. Tenho que fazer o
tratamento para tentar me recuperar da forma mais rápida possível. Espero que
depois disso, tudo fique zerado.

COMENTÁRIOS: