Devendo no Fla, Guerrero pode superar maior lenda do Peru.

5
BLOG
DO RAFAEL REIS – Sem balançar as redes há quase três meses pelo Flamengo, o atacante
Paolo Guerrero tem nesta terça-feira, contra o Brasil, pelas eliminatórias
sul-americanas da Copa do Mundo-2018, a chance de se isolar como o maior
artilheiro da história do Peru.
O
jogador de 31 anos já marcou 26 vezes pela seleção na carreira e divide
atualmente o recorde com Teófilo Cubillas.
O
ex-atacante é o maior nome do futebol peruano de todos os tempos. Ele atuou na
seleção por 14 anos (entre 1968 e 1982), disputou três Copas e foi o astro da
equipe na campanha história de 1970, quando chegou até as quartas de final.
Ao
contrário de Cubillas, Guerrero nunca esteve em um Mundial de seleções. Mesmo
assim, acumula alguns grandes momentos pela seleção –foi o artilheiro das duas
últimas edições da Copa América, por exemplo.
Mas
para a preocupação do técnico argentino Ricardo Gareca, ex-Palmeiras, que
dirige o Peru, o centroavante está longe de viver um grande momento.
O
último gol de Guerrero com a camisa do Flamengo aconteceu na vitória por 2 a 1
sobre o São Paulo, no dia 23 de agosto, pelo Campeonato Brasileiro. Desde
então, ele passou em branco em sete partidas consecutivas da equipe
rubro-negra.
Maior
estrela flamenguista, o atacante tem sofrido com críticas e levado a culpa pelo
fato de o time, que chegou a insinuar que poderia brigar por uma vaga na
Libertadores, ter desabado na classificação.
O
descontentamento com Guerrero é tanto que há torcedores que defendem que o
peruano deveria ir para o banco e ceder seu lugar entre os titulares para o
pouco conhecido Kayke.
Na
seleção, porém, o atacante ainda goza de prestígio. O flamenguista balançou as
redes em outubro pelo Peru (derrota por 4 a 3 pelo Chile) e deu o passe para
Farfán marcar o gol da vitória sobre o Paraguai, na sexta-feira.
Esse
foi o único triunfo peruano conquistado nas três primeiras rodadas nas
eliminatórias. A equipe de Guerrero tem três pontos na corrida por uma vaga na
Copa da Rússia, um a menos que o Brasil.

COMENTÁRIOS: