Emerson Sheik espera maior valorização no Flamengo.

9
GLOBO
ESPORTE – Quem ouve Emerson Sheik falar de Flamengo fica com a certeza de que o
atacante tem uma vida longa dentro do clube. Mas são apenas 49 jogos como
profissional rubro-negro, divididos em duas passagens: 26 disputados em 2009 e
23 na atual temporada. Fará o 50º na quinta-feira, contra o Santos, na Vila, às
22h. Porém a pergunta que fica é: com proposta do futebol chinês, o atacante
permanecerá para tentar uma marca centenária de partidas em 2016 ou a história
de amor, pelo menos dita em palavras, terminará em dezembro, quando o contrato
com o Fla chega ao fim?
Na
quarta-feira passada, em entrevista à Rádio FM O Dia, garantiu que há um mútuo
desejo pela continuidade, contudo deixou expressa a vontade de ter uma
valorização dentro do Flamengo ao dizer que reduziu seus ganhos tanto em 2009,
quando deixou o Catar para ganhar projeção em seu país com as conquistas do
Carioca e do Brasileiro pelo Fla, como em 2015, ao rescindir com o Corinthians.
A proposta chinesa, aliás, é vista como argumento para barganhar um aumento
junto aos diretores.

Existe interesse do clube e do atleta. Na primeira vez que joguei no Flamengo,
vim com contrato de quatro meses, de risco. Nem preciso dizer que o salário era
completamente diferente do que era no Catar. Cheguei ganhando 5, 10% do que
ganhava lá. Esse ano voltei na mesma situação. Saí do Corinthians com um
salário muito legal. Estou amarradão aqui no Flamengo. No que depender de mim,
ficarei no Flamengo até o fim da carreira. Quero jogar até onde me sinta bem.
Sheik,
que em 2015 viu sua popularidade crescer com a torcida rubro-negra ao
enfileirar provocações a Vasco e Fluminense, tem contra si a língua afiada.
Ficou fora de três jogos do Brasileirão devido a gancho provocado por ofensas
ao árbitro do duelo de volta contra o Cruz-Maltino pela Copa do Brasil –
“esse juiz é uma m…”, disparou contra Wilton Pereira Sampaio. A
entrega em campo e o vigor físico, aliados ao cumprimento dos horários, lhe dão
dentro do clube tratamento de liderança positiva.
A
renovação é incerta, todavia a participação de Sheik contra o Santos é
garantida. Só não enfrentou o Orlando City, no domingo, justamente pelo fato de
Oswaldo considerá-lo indispensável.
– Eu
quis poupá-lo. Primeiro para ele não correr nenhum risco e segundo para estar
pronto para enfrentar o Santos e a Ponte Preta em seguida – explicou o
treinador.

COMENTÁRIOS: