Flamengo, 120 anos: Craques do Mengão viraram música.

14
LANCENET
– As alegrias que o Flamengo trouxe em sua história não renderam apenas
homenagens de compositores ao clube. Prestes a completar 120 anos, o Rubro-Negro
fez com que jogadores de várias gerações e até mesmo esquadrões que levaram a
títulos fossem imortalizados no cancioneiro brasileiro.
O
LANCE! enumera abaixo dez canções marcantes sobre as épocas de ouro do
Flamengo. Confira!
1 – ARTHUR X – O REINO DO GALINHO NA
CORTE DA IMPERATRIZ (2014)

Maior
ídolo da história do Flamengo, Zico foi tema de uma sucessão de canções
rubro-negras – e até chegou à Marquês de Sapucaí. A Imperatriz Leopoldinense
levou para o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro a vida do Galinho,
em canção de Elymar Santos, Guga, Tião Pinheiro, Gil Branco e Me Leva. Porém, a
empolgação das arquibancadas não chegou aos jurados: a escola ficou em quinto
lugar.

2 – CAMISA 10 DA GÁVEA (1976)


Enquanto
Zico fascinava os rubro-negros e honrava o posto de novo ídolo do clube, Jorge
Ben sacramentou o que todos já sabiam: lá estava um verdadeiro “Camisa 10
da Gávea”. Em um ritmo bem gostoso, Ben Jor detalhava todo o repertório
que o Galinho trazia de seu futebol.
3 –
SAUDADES DO GALINHO (1983)


A
importância de Zico para o Flamengo foi tamanha que o meia rendeu até uma
espécie de “canção de exílio” de um torcedor ilustre. Após a
transferência do craque para a Udinese (ITA), Moraes Moreira lamentou, em
“Saudades do Galinho”: “E agora, como é que eu me vingo de toda
derrota da vida, se a cada gol do Flamengo eu me sentia um vencedor?”.
4 – FIO MARAVILHA (1972)

Até
mesmo atacantes folclóricos do Flamengo entraram para a história da música
brasileira. Conhecido por driblar adversários aos trancos e barrancos, Fio
Maravilha rendeu uma homenagem de Jorge Ben por umgol marcado na vitória por 1
a 0 do Rubro-Negro sobre o Benfica, em um torneio de verão. Mais tarde, o
jogador exigiu direitos autorais por seu nome, e a canção teve seu título mudado
para “Filho Maravilha”. O centroavante demorou décadas até voltar
atrás na sua decisão.
5 – FLAMENGO ATÉ MORRER (1973)

A
chegada de jogadores de qualidade para formar a equipe rubro-negra de 1973
rendeu a confiança de uma dupla de irmãos e compositores: Marcos Valle e Paulo
Sérgio Valle. Em canção interpretada por Marcos Valle, “Flamengo Até
Morrer” destacava a dupla de ataque Dadá Maravilha e Doval, e atletas como
Rogério e Paulinho. Curiosamente, apontava que “até o presidente” era
Flamengo até morrer.
6 – FLAMENGÃO (1980)

A
geração que faria história com a camisa do Flamengo jogou por música na voz de
um cantor com nome de craque: Bebeto. Em “Flamengão”, ele elevava
Adílio e Carpegiani a gênios, promovia Zico a rei e falava no faro de gol de
Cláudio Adão. Até Manguito foi mencionado.
7 – BOLA DE PÉ EM PÉ (1981)


Em
uma de suas últimas canções antes de nos deixar em 1982, Jackson do Pandeiro
dedicou um forró delicioso ao Flamengo. Com “Bola de Pé em Pé”, o
ícone da música brasileira exaltou a maneira como a equipe mostrava um futebol
refinado naquela época.
8 – ARIGATÔ, FLAMENGO (1982)


Dois
anos depois de lançar “Flamengão”, Bebeto voltou a fazer uma
homenagem ao elenco. Inspirado no título do Mundial Interclubes, o cantor
lançou “Arigatô, Flamengo”, no qual agradeceu, um por um, a todos os
jogadores que foram a Tóquio participar da goleada da equipe sobre o Liverpool
(ING), por 3 a 0. Com direito a se aventurar na língua japonesa e até a citar o
então presidente do clube, George Helal…
9 – RAP DO CENTENÁRIO (1995)

Em
meio à euforia pelos 100 anos do Flamengo, os MCs Júnior e Leonardo lançaram o
“Rap do Centenário”. Além da valorização do clube como “o mais
querido do Brasil” e ao favoritismo em clássicos como o Fla-Flu, os
rappers destacaram a geração de Júnior, Andrade e Zico, e pediram paz no
futebol.
10 –
CAMISA 12 DO MENGÃO

O principal jogador do Flamengo também foi alvo de homenagens da música: a Nação. Com o samba “Camisa 12 do Mengão”, Dominguinhos do Estácio reverenciou a parceria das arquibancadas com a equipe da Gávea em todos estes anos, seja na terra, seja no mar.

COMENTÁRIOS: