Os 120 anos do Flamengo.

13
PEDRO
MIGÃO -Evidente que a mais importante notícia da semana é o sexto título
brasileiro conquistado pelo Corinthians, mas como já falamos sobre essa
supremacia vamos falar de outro grande assunto. Um que ocorreu domingo passado.
Os
120 anos do clube mais popular do Brasil.
O
rubro negro não anda com muitos motivos para comemorar esse aniversário por
seus feitos em campo. Desde 2011 não consegue acabar o campeonato brasileiro
entre os quatro primeiros, de lá para cá só conseguiu ficar duas rodadas entre
os times classificados pela Libertadores. O Flamengo venceu apenas um título
brasileiro nos últimos 23 anos, venceu em um ano surreal, que nunca mais
ocorreu igual onde ninguém parecia querer ser campeão.
Perdeu
terreno, perdeu espaço esportivo, viu o Corinthians crescer e ameaçar sua
posição de mais popular do Brasil. As alegrias do rubro negro vêm ocorrendo
mais fora que dentro de campo com as conquistas de recuperação financeira
feitas pela atual gestão. Tirando os estaduais, que conquista quase todos os
anos, sobrevive de esporádicas copas do Brasil.
O
rubro negro não tem muitos motivos para comemorar.
Não?
Quem disse mané?
Sou
torcedor do Flamengo e digo. O simples fato de sermos Flamengo já é motivo de
eterna comemoração. O Flamengo é mais que um clube. É uma religião, uma força
da natureza, a maior expressão popular desse país.
Flamengo
do rico e do pobre, do carioca e do nordestino, do velho, do novo, de Deus e do
povo. Do meu coração. Um dos poucos times nacionais realmente, com torcedores
em todas as cidades do Brasil.
Flamengo
que mesmo com tantas falcatruas, comandos bagunçados, dirigentes irresponsáveis
sobreviveu. Dos grandes craques como Zizinho, Dequinha, Evaristo, Dida, Pavão,
Rubens, Valido, Leônidas, Domingos da Guia, Bebeto, Renato, Romário, Petkovic,
Rondinelli Deus da raça, Carpegiani, Carlinhos, Adriano e de toda uma geração
fantástica que conquistou o mundo.
Ninguém
vira Flamengo, nascemos Flamengo e eu tive a sorte de me descobrir rubro-negro
vendo essa geração fantástica. Raul, Leandro, Marinho, Mozer, Júnior, Andrade,
Adílio, Tita, Nunes, Lico.
Zico.
Exemplo
de atleta, exemplo de homem, o maior ídolo da minha vida. O cara que eu quando
criança foi assinar minha camisa e vendo que minha caneta falhava foi a uma sala
só para pegar outra e assinar. Gesto de um ídolo com uma criança que o adulto
não consegue esquecer. Um ídolo de verdade que sabe que pequenos gestos como
esse podem moldar a vida de alguém.
Algumas
das maiores alegrias e maiores tristezas que passei na vida tem a ver com o
Flamengo. Eu brinco dizendo que o Flamengo deve ser o maior amor da minha vida
porque ele me maltrata tanto e eu sou completamente louco por ele.
Me
maltrata, me arrebata, de emoção no coração.
Eu
teria um desgosto no mundo se faltasse o Flamengo no mundo. Cento e vinte anos
de glórias e de um caso de amor com o Brasil. Fica a esperança de dias melhores
e eles com certeza virão. Oh meu mengão, eu gosto de você e vou gostar para
sempre.
Uma
vez Flamengo, sempre Flamengo.
Twitter
– @aloisiovillar
Facebook
– Aloisio Villar

COMENTÁRIOS: