Uma defesa sem defesa no Flamengo.

8
O
DIA – O ano do Flamengo é para ser esquecido. Faltando duas rodadas, o time não
aspira mais nada no Campeonato Brasileiro. A única coisa que a equipe comandada
por Oswaldo de Oliveira pode fazer é tentar evitar recordes negativos. Entre
eles, o de defesa mais vazada desde 2006, ano em que foram adotados os pontos
corridos com 20 clubes.
Nas
36 rodadas disputadas até aqui, o Rubro-Negro sofreu 48 gols, média de 1,33 por
partida, registrando a nada orgulhosa marca de terceira pior defesa do
Brasileirão. A simples matemática de fazer mais do que levar não funciona na
Gávea, já que foram apenas 44 gols anotados.
“Temos que continuar buscando as vitórias com
chance de classificação ou não. Precisamos honrar a camisa. Não podemos ficar
assim, tomando esses gols bobos, por isso estamos nessa situação”, desabafou o
lateral Ayrton, que não deve ter seu contrato renovado para a temporada de
2016.
Se
ainda busca não levar gol contra Atlético-PR e Palmeiras, um outro recorde não
tem mais como ser evitado. As 17 derrotas no Brasileirão constituem a pior
marca desde 2006. E não é só isso. A campanha de 2004, que teve 18 derrotas em
46 partidas, pode ser igualada em apenas 38 jogos caso o time seja derrotado
nas duas rodadas que faltam do Brasileiro.
Os
comandados de Oswaldo de Oliveira também falharam na hora decisiva do torneio.
Nas últimas 10 rodadas, momento em que o campeonato se decide, os Rubro-Negros
só foram melhores do que Goiás e Joinville, equipes na zona de rebaixamento. O
time somou oito pontos, com duas vitórias, dois empates e seis derrotas, pífio
aproveitamento de 26,6%.
Para
se ter uma ideia da discrepância, o campeão Corinthians — melhor time também
nos últimos 10 jogos — conseguiu 26 pontos no período, seguido de Cruzeiro
(22), Ponte Preta (17), Atlético-MG (17) e Vasco (17).
NOVA POLÊMICA ENVOLVE EVERTON
A
fase realmente não é boa para Everton. Depois de ter sido afastado e
reintegrado por causa do ‘bonde da Stella’, o meio-campo do Flamengo foi
acusado pela torcedora Ana Beatriz Zahat de tê-la xingado no Aeroporto de
Brasília.
O
camisa 22 negou o ocorrido por uma rede social e disse que iria procurar a
Justiça para medidas reparadoras:
“Fiquei
sabendo que estão inventando mentiras a meu respeito. Quem me conhece sabe que
eu nunca destrataria ninguém! Eu não sou assim, e não foi essa a educação que
eu recebi em casa”.
E
acrescentou: “As pessoas acham que a internet é uma terra sem lei, onde podemos
inventar o que quisermos, sem consequências. Então, eu e meus advogados estamos
observando tudo o que está sendo falado. Acusar sem provas é crime. E quem
compartilha mentiras é cúmplice deste crime”, escreveu.

COMENTÁRIOS: