Vivendo jejum, Guerrero cita Neymar e reclama de árbitros.

9

ESPN
– Sem balançar as redes desde 13 de outubro, quando marcou pelo Peru na derrota
contra o Chile, Paolo Guerrero segue a um gol de ultrapassar Teófilo Cubillas e
se tornar o maior goleador da história da seleção. Contudo, depois de passar em
branco na derrota por 3 a 0 para o Brasil, na última terça, o atacante do
Flamengo reclamou da arbitragem e citou até uma espécie de perseguição,
garantindo que com Neymar tudo é marcado.

Capitão
da seleção comandada por Ricardo Gareca, Guerrero até teve chances de marcar,
mas não se deu bem. Em uma delas, perto do fim do jogo, o atacante recebeu com
liberdade dentro da área, chutou cruzado e, após a bola passar pelo goleiro
Alisson, o zagueiro Gil – ex-companheiro de Corinthians – tirou em cima da
linha. Assim, o atacante que foi artilheiro da Copa América segue amargando
duro jejum.
“Me
estudaram muito bem, me marcaram e não me deixaram livre durante o jogo. Se eu
tivesse marcado naquela ocasião, aproveitando a chance, ia ter recuperado a
confiança. Fora o resultado, a entrega de todos foi essencial”, reconheceu
o camisa 9, que agora vê o Peru na penúltima colocação das eliminatórias e terá
que esperar até a rodada de março para tentar reverter a situação.
Isolado
entre os zagueiros Miranda e Gil, e seguido de perto também pelo volante Luiz
Gustavo, Guerrero viu seu espaço restrito no campo de ataque. Apesar de
reconhecer a boa marcação do adversário, também reclamou com relação às faltas
que, segundo ele, sempre que cometidas em Neymar são marcadas pela arbitragem.
No jogo da Fonte Nova, Neymar recebeu sete de doze faltas cometidas pelos
peruanos.
“Empurram
o Neymar, o tiram com o corpo, e o árbitro marca tudo. Quando batem em mim, me
empurram, nada é marcado. Vejo que isso acontece com o outro, mas não comigo, e
isso me frustra”, admitiu o peruano após ter reclamado da omissão da
arbitragem também no Brasileirão.
Se
não marca pelo Peru há mais de um mês, o jejum com a camisa do Flamengo está
instalado há quatro meses, desde 18 de julho.

COMENTÁRIOS: