Muricy projeta Arão como ‘novo Elias’, mas corintiano tem números melhores

7

GE – O acerto de Willian Arão com o Flamengo – apesar da disputa judicial entre o
atleta e o Botafogo ainda não estar concluída – gera no Rubro-Negro a expectativa de ter
encontrado um volante moderno, capaz de não somente marcar, mas também de
colaborar no ataque de forma decisiva. O técnico Muricy Ramalho pretende dar a Arão
uma função semelhante à que Elias cumpre no Corinthians. Os dados do
meio-campista ao longo de toda a temporada de 2015 atestam a percepção do
treinador quanto ao estilo de jogo, mas o Espião Estatístico* do
GloboEsporte.com ressalta que Elias é mais produtivo, nos números.
O papel de Willian Arão no ano, de fato, sugere que ele tem algumas
características parecidas com as de Elias. A começar pelo percentual de
participação nos gols de cada um deles pelo Botafogo e pelo Corinthians,
respectivamente: Elias fez parte de 18,8% dos gols do time paulista no ano,
marcando nove vezes, com mais oito assistências e iniciando jogadas para outros
cinco. Foram, portanto, 22 dos 117 gols corintianos que passaram pelos seus
pés. Willian Arão, por sua vez,
colaborou com 17,6% dos do Botafogo. Fez sete deles, deu assistências para seis
e ajudou a criar outros seis, participando, assim, de 19 do total de 108
marcados pelo alvinegro carioca.

Excluídas as jogadas iniciadas, ou seja,
resumindo a análise apenas a participação com gols e assistências, a vantagem
de Elias é um pouco maior ainda. Ele participou de 14,5% (17 de 117) dos gols
do Corinthians na temporada, enquanto Arão participou de 12% (13 de 108) dos do
Botafogo (confira abaixo de onde cada um deles finalizou para gol ou deu
assistência).
Willian
Arão

demonstra capacidade de penetração, mobilidade e que também gosta de aparecer
como homem-surpresa no ataque. Em  52,6%
(10 dos 19) gols de que participou no Botafogo Willian Arão invadiu a área de ataque. Se considerados só os gols
feitos por ele próprio, o percentual é de 71,4% (5 dos 7). Das assistências que
deu, 66,6% (quatro das seis) foram de dentro da área.
Elias, nesse comparativo, mostra um pouco
mais de poder de chegada no setor ofensivo. O volante do Corinthians penetrou a
grande área adversária em 54,5% (12 dos 22) dos gols de que participou no ano e
o fez em 77,8% (7 dos 9) dos seus próprios gols. Nas assistências que deu,
invadiu a área de ataque em 62,5% das vezes (5 das 8), perdendo apenas nessa
para Arão.
Arão:
fôlego e ambidestria
Willian
Arão
,
porém, ainda pode crescer. Com 23 anos, sete a menos que Elias, ele mostra que
tem fôlego sobrando, por exemplo, ao ter feito quatro de seus sete gols no
segundo tempo. Elias tem relação praticamente inversa. Fez seis antes do
intervalo e três depois.
O uso dos dois pés também é um ponto positivo
do jogador que chamou a atenção do Flamengo. Pelo Botafogo em 2015, Arão fez três
gols de pé direito e quatro de canhota. Nas assistências, foram quatro de
direita, uma de canhota e uma de cabeça. Na comparação, Elias fez mais
diferença com sua perna boa, usando menos a esquerda. Os nove gols que fez
foram de direita, assim como seis de suas oito assistências, sendo as outras
duas de canhota.

COMENTÁRIOS: