Flamengo aposta em trabalho mental para jogar bem no Maracanã.

9
Paolo Guerrero e Leandro Damião – Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

EXTRA
GLOBO
: O Flamengo volta ao Maracanã amanhã, contra o Coritiba, e quer trazer de
volta aquela serenidade e controle de jogo exibidas quando o time viajou pelo
Brasil e emendou uma sequência de vitórias em outros estádios.

Na
reta final pelo título, o Rubro-negro tinha obrigação de vencer Corinthians e
Botafogo em seu palco preferido, mas o controle de jogo virou um descontrole de
nervos, com a equipe pilhada. Desde então, o conjunto se perdeu, as atuações
pioraram e o time só voltou a vencer diante do América-MG, mesmo sem jogar bem.
Desde
o começo do ano, no entanto, um trabalho transdisciplinar envolvendo o setor de
psicologia do clube tem a preocupação com uma das três grandes competências em
uma partida: a mental-emocional. O protocolo foi intensificado pelo psicólogo
Carlos Eduardo Brito e o coordenador da área Fernando Gonçalves, em meio a
queda de rendimento e desgaste do elenco.

Passamos o ano em turnê. Boa parte do trabalho é mental. Há abordagem também
nos jogos, nos treinos. Não é apagar incêndio, dar motivação, é um modelo
pedagógico de treinamento — explicou Gonçalves.
Segundo
o consultor, o Maracanã, dois meses antes de ser liberado, virou objeto de
incentivo aos atletas. Ele nega que os jogadores tenham sentido o retorno.
— O
Maracanã sempre foi uma motivação. Quando faltavam dois meses para voltar ao
estádio, essa perspectiva era uma motivação num ambiente de avião e hotel. Era
como a cenoura na frente do coelho, uma recompensa — ilustra o especialista.
Nesse
cenário, as conversas se intensificaram com jogadores e com o técnico Zé
Ricardo. Alguns caíram de produção, como Arão. Guerrero, por exemplo, não ficou
tão nervoso nos jogos e melhorou o rendimento. Para Gonçalves, fruto do
trabalho de confiança.
— Isso
é contínuo. Os líderes e os atletas estão envolvidos. Atenção, confiança,
disciplina, regulação das emoções. Às vezes você precisa forçar a abordagem,
avaliar e lapidar – ensina Fernando Gonçalves.
Agora,
é hora de mostrar que o trabalho deu resultado.
Leia
mais:
http://extra.globo.com/esporte/flamengo/flamengo-aposta-em-trabalho-mental-para-nao-entrar-na-pilha-de-novo-no-maracana-20496086.html#ixzz4QSdXsiO6
O
Flamengo volta ao Maracanã amanhã, contra o Coritiba, e quer trazer de volta
aquela serenidade e controle de jogo exibidas quando o time viajou pelo Brasil
e emendou uma sequência de vitórias em outros estádios.
Na
reta final pelo título, o Rubro-negro tinha obrigação de vencer Corinthians e
Botafogo em seu palco preferido, mas o controle de jogo virou um descontrole de
nervos, com a equipe pilhada. Desde então, o conjunto se perdeu, as atuações
pioraram e o time só voltou a vencer diante do América-MG, mesmo sem jogar bem.
PUBLICIDADE
inRead
invented by Teads
Desde
o começo do ano, no entanto, um trabalho transdisciplinar envolvendo o setor de
psicologia do clube tem a preocupação com uma das três grandes competências em
uma partida: a mental-emocional. O protocolo foi intensificado pelo psicólogo
Carlos Eduardo Brito e o coordenador da área Fernando Gonçalves, em meio a
queda de rendimento e desgaste do elenco.

Passamos o ano em turnê. Boa parte do trabalho é mental. Há abordagem também
nos jogos, nos treinos. Não é apagar incêndio, dar motivação, é um modelo
pedagógico de treinamento — explicou Gonçalves.
Segundo
o consultor, o Maracanã, dois meses antes de ser liberado, virou objeto de
incentivo aos atletas. Ele nega que os jogadores tenham sentido o retorno.
— O
Maracanã sempre foi uma motivação. Quando faltavam dois meses para voltar ao
estádio, essa perspectiva era uma motivação num ambiente de avião e hotel. Era
como a cenoura na frente do coelho, uma recompensa — ilustra o especialista.
Nesse
cenário, as conversas se intensificaram com jogadores e com o técnico Zé
Ricardo. Alguns caíram de produção, como Arão. Guerrero, por exemplo, não ficou
tão nervoso nos jogos e melhorou o rendimento. Para Gonçalves, fruto do
trabalho de confiança.
— Isso
é contínuo. Os líderes e os atletas estão envolvidos. Atenção, confiança,
disciplina, regulação das emoções. Às vezes você precisa forçar a abordagem,
avaliar e lapidar – ensina Fernando Gonçalves.
Agora,
é hora de mostrar que o trabalho deu resultado.

COMENTÁRIOS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here