Gilmar Ferreira vê Flamengo ‘limitado’.

16
Marcelo Cirino disputando a bola em Flamengo x Botafogo – Foto: Cris Dissat / Fim de Jogo

GILMAR
FERREIRA
: A reta final dos clubes cariocas no Brasileiro das Séries A e B
produz um gosto amargo para seus torcedores.

Desprazer
atenuado apenas pela eficiência do Botafogo.
O
empate do Flamengo no clássico de sábado deu ao Palmeiras a oportunidade de se
distanciar na liderança;
A
derrota tricolor em BH fez ruir o projeto de Levir Culpi nas Laranjeiras;
E o
Vasco, com novo tropeço fora de casa, fez crescer a ameaça de não voltar à
divisão principal.
Faltam
quatro rodadas e o prazer que nos resta foi reduzido a ver dois cariocas na
Libertadores e um grande livre de retumbante fracasso.
Uma
pena…
FLAMENGO 0 x 0 BOTAFOGO.
O
empate de sábado talvez tenha sido o mais emblemático desta série de quatro
jogos sem vitória do Flamengo.
Amarrado
num sistema de marcação por zona, com vigília permanente a Diego, seu criador,
o time de Zé Ricardo pouco fez.
Teve a
bola ao dispor, mas ficou sem conexão.
Precisou
do brilho individual, mas Diego, Arão e Guerrero não tiveram espaços.
No
final, no desespero, já sem oxigênio, tornou-se presa fácil para um Botafogo
enxuto, inteiro e concentrado no trivial que o trouxe até aqui.
Um
time com muita aplicação no bloqueio e saída veloz que para o ataque, às vezes
até com ligação direta.
Em
resumo: o time rubro-negro mostrou que seu repertório ainda é limitado e pelo
segundo jogo consecutivo deixou o campo com a sensação de ponto ganho.
O
Botafogo, que perdeu chance clara no fim, foi o castigado…
CRUZEIRO 4 x 2 FLUMINENSE.
Atuação
abaixo do razoável, com cinismo explícito que extrapola a capacidade analítica
de quem pense em separar desempenho de resultado.
Talvez
a declaração de Peter Siensem antes do jogo, garantindo a permanência de Levir
Culpi, tenha desagradado a um grupo que já havia decidido pela saída dele.
Este
time tricolor não é lá essas coisas, mas não pode ter só uma vitória nos dez
últimos jogos.
Algo
há _ ou havia!
E o
acerto já não dependia mais da capacidade do técnico.
BRASIL-RS 2 x 1 VASCO.

pouco a fazer: nesta terça-feira tem jogo em São Januário e é preciso vencer a
Luverdense sob o risco de se ver em situação dramática.
Como?
Com
potência, volume e velocidade, algo que o Vasco não mostra desde os 2 a 0 sobre
o Atlético-GO, em setembro.
É ruim
o momento de Andrezinho e sem a eficácia dele a ofensividade despenca.
Jorginho
sabe disso, mas não consegue resolver.
A
torcida terá de ajudar…

COMENTÁRIOS: