Não vale a pena ver de novo.

7
Foto: Divulgação

BOTECO
DO FLA:
Se 2015 terminou com coisas do tipo “temos que aguardar um
posicionamento sobre o Maracanã”, um ano depois, após dois reencontros da
Nação com o estádio, reconfortantes e frustrantes na mesma medida… Fuck!!!!! Cá
estamos nós de novo em uma versão até piorada do mesmo “temos que aguardar
um posicionamento sobre o Maracanã”. Como já prevíamos, tá com cara de que
a primeira novela chata de 2017 já está no ar e será mais um campeão de
audiência sonífera. Isso se formos benevolentes, já que na verdade essa chatice
vem se arrastando faz muito mais tempo.

FFERJ,
franceses e sei lá mais quem estão fechando acordo para que novos moradores da
Ilha da Fantasia passem a administrar o futuro elefante branco e tentem
explorar o Flamengo. Bem… Posso estar falando besteira, o que não seria
nenhuma surpresa. É que primeiros informes dão conta de que um evento por mês será
realizado no local, e eu sei lá se só isso já é suficiente pra bancar a
estrutura. De forma surreal, parece que se preocuparam em deixar claro que essas
12 datas não iriam atrapalhar o futebol. Aaahnnnn???!!! Hora de perguntar:
“De que futebol exatamente vocês estão falando?”
O
fluminenCe se mostra insatisfeito financeiramente em jogar no estádio; o
Botafogo surtou e tem uns 500 lugares pra jogar e quase ninguém pra assistir; o
Vasco tem preocupações bem maiores e, dada a imensa potência que vem se
transformando na atual administração do Eurico, melhor mesmo é bradar bem alto pro
mundo todo ouvir um “Yes, Nós temos Estádio”, porque infelizmente (e
não estou sendo irônico) é só o que está sobrando. Seguem meus sentimentos aos
grandes amigos vascaínos que tenho, e aos frequentadores cruzmaltinos do
Boteco.

Oui… Monami… Croissant … Abajour… Mas tem o Flamengô – diriam os
franceses que estão chegando.
E não duvido
nada, nada mesmo, que a Federação tenha usado o nome do Mais Querido nas
conversas (sempre levando em conta a possibilidade de Futebol constar no
cardápio do planejamento). Devem ter falado algo do tipo… “Pode pegar
sem medo. O Flamengo vai jogar lá. Não há mesmo outra opção pra eles”. Ou
seja, conversa pra francês ver.
Só que
daí o Flamengo (não que eu goste ou ache muita graça nisso. Eh, eh, eh…) fez
em 2016 um Cursinho Intensivo de Sobrevivência na Selva sem Jogar no Rio. E, apesar
de muito rubro-negro cometendo suicídio coletivo nas redes sociais após a
rodada do último final de semana, pode-se até dizer de forma relativa, de forma
bem relativa, que saporra deu certo… Tá… Quase certo… Ok… Não deu
totalmente errado.
E
agora tem jeito não. Como diria o Coisa: “Tá na hora do pau”. Eu acho
que o Flamengo nem deveria ouvir a proposta para uso do estádio que certamente será
enviada em algum momento. Provavelmente após os franceses ouvirem os
empresários de Rolling Stones, Metallica e Guns n’ Roses confirmarem em
uníssono: “Não… Nós não ter esse disponibilidade de tocar no Maracanã todo
sábado. Nosso agenda estar cheio”. O Flamengo tem que preparar a proposta que
lhe for conveniente, mandar sei lá pra onde que tem que enviar a bagaça,
deixando bem claro: “Se topam, favor devolver o mesmo já assinado e
estamos conversados. Caso contrário, podem pintar esse contrato aí de verde e
jogar no mato. Sem mais para o momento”.
Aliás,
a hora é de esnobar. Podia até incluir solicitação de ter no vestiário a cada
jogo 500 toalhas brancas, 22 massagistas tailandesas (vai ter ação de marketing
pros ST? Pleeeaaaase…), 600 garrafas de Água Perrier e uma fonte ininterrupta
de chocolate suíço durante a permanência dos funcionários e atletas (e STs) no
vestiário. Hora de mostrar quem é o Rock Star do New Maraca. Ah… Manda
incluir um frigobar com umas stellinhas também. Vai que…
E se o
negócio é ostentação e soberba, já começou bem. Pelo que li aqui mesmo pelo GE,
dirigentes do Flamengo iriam dar um rolezinho básico de helicóptero para analisar
não só uma, mas duas áreas que estariam sendo oferecidas por empresas
diferentes para construção de um estádio, fazendo rolo com a Sede do Morro da
Viúva.
Triste
ficar sem Maracanã? Não há dúvidas. Mas fazer o que se eles parecem querer assim?
Fora isso, os olhinhos azuis dos Smurfs já devem estar até brilhando com a
possibilidade de mais um ano de Bye Bye Brasil. Se é pra brigar, bora unir o
inútil (Maracanã sem uso) ao desagradável (outro ano sem lar fixo no Rio).
Um
entrave para mais uma Turnê do Flamengo pelo mundão afora pode ser o decreto que
a CBF diz que vai baixar, exigindo dos clubes a definição de dois estádios onde
serão realizados seus “jogos em casa”. Epa… A Conmebol também não havia
falado algo semelhante? Sobre definições de estádios para a Libertadores?
Então… Pode até ser que essa novelinha não tenha disponível tanto tempo assim
para se resolver. Vamos observar.
Cola
nas redes, Urubu.
Facebook
e Instagram: Mercio Querido
Twitter:
@sorinmercio

COMENTÁRIOS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here