Acabou a farra mambembe.

21
Arquibancadas vazias no Estádio Mané Garrincha – Foto: Claudio Reis

LANCE:
A indústria da venda do mando de campo chegou ao fim. O conselho técnico do
Brasileirão acatou por 16 votos a 4 proposta do Atlético-MG que proibiu que os
clubes mandem seus jogos fora do estado-sede, já a partir do deste ano. É uma
decisão acertada. Se as receitas eram altas, com cotas mínimas garantidas
independentemente do público, os prejuízos técnicos e institucionais eram
maiores. Técnicos e jogadores sempre reclamaram, com toda razão, dos longos
deslocamentos, do tempo perdido para treinar e do desgaste psicológico, com
mais tempo longe das famílias. Já o torcedor ficava privado de ver seu time. E
pior: pulando de galho em galho, os clubes fragilizavam seus programas de
fidelização do sócio-torcedor e inviabilizavam qualquer iniciativa de venda
pacotes para a temporada e outras formas de venda antecipadas de
comercialização.

Mais elefantes do que nunca
A
decisão do conselho técnico foi o tiro de misericórdia. A proibição dos mandos
fora do estado inviabiliza aquilo que era, praticamente, a única fonte de renda
significativa das arenas da Amazônia, do Pantanal e das Dunas e do Estádio
Nacional de Brasília. Do outro lado, o Flamengo, principal “freguês”
desses campos é quem mais vai perder. Se o imbróglio do Maracanã não for
resolvido, o rubro-negro ficará restrito aos 22 mil lugares da Arena da Ilha ou
aos 25 mil de Volta Redonda, já que o Botafogo recusa-se a ceder o Engenhão ao
rival. Em ano de Libertadores, a conta do que o Fla vai deixar de arrecadar
será alta. Por isso o presidente Bandeira de Mello votou contra a medida.
Luiz
Fernando Gomes

COMENTÁRIOS: