Eurico detona PM por não permitir Flamengo x Vasco no Engenhão.

36
Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br

UOL / ESPN: O
presidente do Vasco, Eurico Miranda, detonou a decisão pela marcação da
semifinal da Taça Guanabara com o Flamengo, sábado (25), para o estádio Raulino
de Oliveira, em Volta Redonda. 

O dirigente considerou um absurdo o duelo não
ser realizado no Nilton Santos (Engenhão), pois a Polícia Militar não deu
garantia de segurança por conta do Carnaval.

“A
liminar foi suspensa de forma provisória, mas o Vasco se isenta sobre isso. A
polícia diz que não pode dar segurança. Está claro a falência da segurança
pública. Estou descontente com a constatação de que a PM não tem condição de
dar segurança em uma partida de futebol. Abstrai qualquer problema de violência
externa. Isso precisa ser tratado. Quando a polícia vem e diz que não tem
condição de dar segurança porque tem carnaval, futebol de praia…”,
afirmou.

Eurico
também disse que só concordará em colocar o Vasco em campo em Volta Redonda se
o clube cruzmaltino for “isento de responsabilidade” pela segurança.
O cartola estava visivelmente irritado por não poder jogar no Rio de Janeiro.
“Houve
uma reconsideração provisória da decisão do jogo baseada nas informações da
polícia. Ficou definido que será em Volta Redonda. A polícia alega questão de
efetivo para garantir o jogo no Engenhão, seja com uma torcida ou com
duas”, disse Bandeira de Mello.
Para o
clássico ser disputado em Volta Redonda, a partida entre Fluminense e
Madureira, que jogam a outra semifinal da Taça Guanabara, será em Los Larios,
em Xerém.
O
presidente da Ferj (Federação do Estado do Rio de Janeiro), Rubens Lopes,
admitiu a inversão de mando das partidas para que o clássico tenha duas
torcidas. Mas disse que o jogo só será em Volta Redonda se a prefeitura da
cidade concordar.
“Acabamos
de falar com a prefeitura de Volta Redonda que a única forma de realizar essa
rodada seria uma inversão de partidas, tirando o Fluminense e Madureira de lá e
mandando o clássico para a cidade. A decisão final vai ser submetida ao
prefeito. Depende da resposta dele”, disse Rubens Lopes, presidente da
Ferj.

COMENTÁRIOS: