Flamengo rasga fantasia do Eurico.

31
Foto: Divulgação

BOTECO
DO FLA:
E o Flamengo acabou com as fantasias euriquianas tolas e pessimamente
mal-acabadas. Com o fim da “supremacia” recente de um time que freqüenta
ano-sim-ano-não as regiões pouco nobres na hierarquia do futebol tupiniquim,
como bem observa um meme que anda circulando nas redes, agora é esperar o
estádio deles estrear jogando bola no Carioqueta.

Tudo
bem que dadas as diferenças gritantes de qualidade de elenco e de
infraestrutura do Departamento de Futebol, teve muito rubro-negro
pré-comemorando nas redes na base do “menos de três eu nem comemoro”. Tudo bem
também que enquanto não jogarmos contra a Seleção Alemã, a turma desconfiada e
ranzinza do “ainda não enfrentamos um grande teste” vai continuar arrastando
suas correntes por aí. Mas contra fatos não há argumentos, o Flamengo foi mesmo
superior, ainda que não de forma esmagadora, 
e faturou a vaga na Final com sobras. Tanto que até a entrevista do
Rodrigo após o jogo, porta-voz maior em campo da defesa da instituição cruzmaltina,
teve tom conformado e sem atribuir a derrota a nenhuma injustiça.
Muralha
nem trabalhou muito, apesar da cada vez maior consistência do Réver andar
contrastando bastante com um ou outro deslize do Vaz. Diego sobrou em
comparação ao Nenê
(http://globoesporte.globo.com/rj/futebol/campeonato-carioca/noticia/2017/02/em-duelo-de-craques-diego-finaliza-cruza-e-passa-mais-que-nene.html),
Guerrero não fez gol, mas trabalhou bastante lá na frente e o Rômulo quase
marca um gol todo trabalhado na sagacidade e talento do futevôlei. Tudo ok.
Acho que não há nenhuma atuação dos nossos atletas que mereça ser criticada.
Até o Gabriel apresentou aquele futebol assim-assim de sempre, mas entrou com
bastante disposição e com estado de espírito compatível com o Clássico em
questão.
Agora
vem o fluminenCe. Com 100% de aproveitamento na primeira fase, tendo atropelado
o Vasco no único clássico disputado até agora pelo Tricolor das Laranjeiras,
passou certo sufoco para empatar em zero a zero com o Madureira e garantir a
vaga na Final. Não vi nenhum jogo deles porque tem coisa mais interessante passando
na TV, mas dizem por aí que o time tá bem e que eles têm também lá sua cota de
gringos apresentando bom futebol. Vamos esperar. Já vai ter passado o Carnaval,
mas o lado de lá em breve começa a fantasiar o tal do “a gente quase não perde
Final pro Flamengo… A gente quase não perde Final pro Flamengo…”. Daí é
hora de rasgar essa fantasia também, já que o principal motivo é que eles quase
nunca CHEGAM até as partidas decisivas, e por mais que sejamos poderosos, não
dá mesmo pra coletar triunfos em jogos que não existem.
Um
doce pra quem adivinhar o que a turma do terno e gravata anda fazendo em pleno
Carnaval? Acertou quem arriscou que a atividade é a mesma da semana passada.
Curtir a luz dos holofotes, tentar organizar uma simples partida de futebol e
saber como e onde será realizado o Fla-flu. A procissão segue de forma
semelhante a que antecedeu Flamengo x Vasco. As opções até o momento são:
pequena esperança de Maracanã, escolha que deveria ser óbvia pelo Engenhão com
duas torcidas, e Brasília correndo por fora para receber uma surreal decisão de
Taça Guanabara sendo disputada tão longe do Rio. Quando o público for pífio que
nem o da tarde de sábado no Raulino de Oliveira, daí a gente bate palma pros
(i) responsáveis.
Colem
nas redes, Urubus, UruBoas e Antis:
Facebook
e Instagram: Mercio Querido
Twitter:
@sorinmercio
YouTube:
Canal Boteco do Flamengo

COMENTÁRIOS: