Guerrero credita boa fase no Flamengo à confiança no time.

9
Foto: Gilvan de Souza

GLOBO
ESPORTE
: A temporada está no começo, mas o saldo é positivo para Paolo
Guerrero. Artilheiro do Flamengo com cinco gols até aqui – o último marcado no
clássico de domingo –  o atacante tem
aparecido mais à vontade do que nunca desde que chegou no Rubro-Negro. Em sua
primeira entrevista coletiva do ano, o peruano destacou a evolução do time em
relação a ano passado e concordou que a confiança cresceu junto com seu
aproveitamento.


Quando as coisas dão certo e estou fazendo gols, dá para descansar bem, ficar
bem. Dá confiança e motivação não só para mim, mas meus companheiros também se
sentem bem, jogam com mais confiança. A gente gosta de sair vitorioso de campo.
Dá para treinar melhor, de outro jeito. Então acho que está dando certo –
disse.
Com o
Flamengo 100% na temporada (quatro vitórias em quatro jogos) e na liderança do
Grupo B da Taça Guanabara, Guerrero destaca que o bom momento ajuda na
confiança pessoal e também do elenco. O atacante, inclusive, fez questão de
dividir todos os resultados recentes com o grupo. O entrosamento atual foi
tratado como decisivo.

Desde quando eu cheguei, na metade de 2015, o time não estava indo bem. Depois
da Copa América eu cheguei e o time conseguiu se remontar. Ano passado foi
campeonato difícil para nós, pelas viagens que tive também. Jogar pela seleção
e voltar. Fizemos um campeonato muito bom e poderíamos ter conseguido o título.
Esse ano o time está mais entrosado, chegaram reforços que acabaram de
complementar o time muito bem. Esse ano está dando certo porque a gente se
conhece bem e tem padrão de jogo. Na pré-temporada conseguimos arrumar os erros
do ano passado – disse o jogador.
A importância de Zé Ricardo
Sorridente
e tranquilo durante os quase 15 minutos de entrevista, Guerrero fez questão de
enaltecer importância do técnico Zé Ricardo em sua evolução. Ele lembrou uma
conversa com o treinador, no ano passado e uma mudança de trabalho que
favoreceu sua ascensão.

Conversei com Zé Ricardo depois da Copa América, tivemos um papo bem legal. É
um cara bem honesto e sincero. Falou tudo que tinha para dizer e me senti bastante
confortável. Começamos a trabalhar de um jeito que ele se sente cômodo e eu
também. Comecei a fazer um trabalho especial, não treinei nos primeiros dias da
pré-temporada, estava com os tornozelos fracos.
Mais
trechos da entrevista:
O que facilita o trabalho
Entrosamento
foi muito importante. Falo muito com Mancuello, Diego, Everton e agora com
Berrío. Todos, Cirino, Adryan, conversamos muito. Sabem como gosto de jogar,
que horas podem jogar a bola para eu segurar e fazer uma tabela ou enfiar a
bola. A chegada do Trauco também foi importante, ele me procura toda hora.
Estamos nos comunicando muito bem dentro de campo.
Trauco
Conheço
da seleção. É um moleque tranquilo, disciplinado e tem qualidade técnica. Todos
ficaram encantados com ele porque é tranquilo, fala pouco, está aprendendo o
português. Mas a parte técnica é muito boa, faz bons cruzamento, não se
complica e joga fácil. E chuta bem. Ele está se encaixando muito bem dentro do
time e acho que vai dar muitas alegrias ao Flamengo.
Referência e liderança
Acho
que todos temos que ser referência. Não acho que só um, dois ou três. Todos tem
que se considerar referências dentro de uma equipe. Somos uma equipe.
Melhor início de temporada
Não
sei. Já passei por isso, anotando gols. No Hamburgo também. Acho que em outros
times já tive começo de temporada fazendo gols. Mas agora é uma fase boa. Não
somente estou fazendo gols, mas o time está ganhando. Para mim e para meus
companheiros é o mais importante.
Sobre poupar time para o jogo de
quinta-feira
Não estamos
sabendo de nada. A gente hoje tinha recuperação. Pode ser que esteja
trabalhando outo time. Mas não falamos quem vai jogar na quinta-feira. Todos
que jogamos domingo, começamos, tivemos recuperação. Amanhã será o dia que com
certeza vai decidir.
Descansar?
Depende.
Às vezes é importante poupar os jogadores porque o Campeonato é duro, longo.
Mas vai depender do Zé, da programação que vem. Dos dados que eles tem. Então
vamos ver.
Goleador?
Procuro
fazer minhas jogadas, estar na área. Como centroavante, tenho que estar aí. Às
vezes quando está bem fechado, e o time adversário não dá espaço, eu procuro
mais a bola. Para ter mais espaço, e assim causar confusão dentro do campo
deles. É um conjunto da elaboração do time.
Experiência para Libertadores
Todo
mundo é ciente de que a Libertadores é diferente. Mais para nós, porque todo
mundo vai querer ganhar do Flamengo. Um dos favoritos um time grande desta Copa
Libertadores. Estamos nos preparando bem. E o objetivo é sair campeão. Mas acho
que todos são cientes de como se joga uma Libertadores.
Muitos gols de bola lançada na área
Acho
que tem pessoas com estatura boa, que chegam forte na bola. Nossa bola parada é
muito difícil. Tem homens grandes. O trabalho do Zé acho que está dando certo.
Nas bolas defensivas também.

COMENTÁRIOS: