Torcedor do Botafogo foi assassinado com objeto cortante.

16
Perfurações no laudo do iml (Foto: reprodução tv globo)

GLOBO
ESPORTE
: A morte do botafoguense Diego Silva dos Santos no entorno do Engenhão
segue impactando o futebol carioca. Aos 28 anos, Diego foi mais uma vítima da
briga entre torcedores organizados, desta vez entre Botafogo e Flamengo. A
reportagem do Esporte Espetacular relata o drama de quem viu a confusão de
perto, mostra as atitudes do Ministério Público, polícias civil e militar e dos
clubes cariocas após o ocorrido, e revela um detalhe do laudo da morte de
Diego. O documento aponta que ele não morreu vítima de um disparo de arma de
fogo, como se pensava antes, e sim, por perfuração de objeto cortante.

Diego
foi socorrido por torcedores do Botafogo, mas morreu no Hospital Salgado Filho.
A investigação do crime está a cargo do delegado Fábio Cardoso, da delegacia de
homicídios. 
– A DH
tem equipes que estão desde a noite de domingo na região do Engenhão
trabalhando nessa investigação, buscando ouvir testemunhas, já ouvimos algumas
e vamos ouvir mais. Conseguimos fotos e imagens que estão sendo utilizadas pra
que se possamos identificar a dinâmica completa dessa briga que ocasionou a
morte do Diego, e obviamente identificar todos os envolvidos nesse
assassinato. 
Religioso
e cheio de amigos: violência no futebol deixa mais uma vítima O dia
seguinte: manchas de sangue e medo no entorno do Nilton Santos Tiros
e tensão: confusão antes do clássico termina com torcedor morto Imagens
mostram ausência da PM em confronto violento fora do Engenhão
Segundo
a investigação da delegacia de homicídios, duas brigas aconteceram nessa esquina.
A segunda delas, bem mais violenta, foi quando Diego foi assassinado. E ao
contrário do que foi noticiado durante a semana, a causa da morte não foi um
tiro. 

Inicialmente diante de várias fotografias e áudios, que foram divulgados por
redes sociais, acreditava-se que o Diego tinha sido morto a tiros. Mas não foi.
A DH já conseguiu evidenciar, com base em tanto em provas periciais, laudo de
necropsia, como provas testemunhais, que, na verdade, o Diego foi morto, foi
perfurado, foi agredido, por um espeto de churrasco, que foi o que causou a
morte dele. 
O
laudo do IML (Instituto Médico Legal) diz que Diego morreu de hemorragia
interna e externa e que ele foi ferido por um objeto perfurante, exatamente o
espeto citado pelo delegado. 
– A
torcida do Botafogo chegou ao Engenhão por volta das 17 horas, e ocorreu
inicialmente uma primeira briga contra torcedores do Flamengo. E essa briga foi
evitada, apartada, e posteriormente uma outra briga entre torcedores ocorreu
por volta das 18 horas. E foi quando então esses torcedores do Flamengo vieram
armados com pedras, paus, ferros e então ocorreu essa briga com torcedores do
Botafogo. Alguns torcedores do Botafogo, que estavam em um número bem menor,
fugiram. O Diego foi agredido por um marginal disfarçado de torcedor, e foi
várias vezes golpeado na região torácica, no peito com um espeto de churrasco,
o que acabou acarretando a morte. 
Erivaldo,
que trabalhava como churrasqueiro na frente de um bar, conta que não teve tempo
de retirar quase nada em meio a confusão. 
– Não
deu tempo nem de tirar a churrasqueira. Só deu tempo de fechar as portas e
largar. E nos prevenir de uma coisa pior. Porque talvez se eu tivesse até
ficado, talvez não estaria nem contando essa história agora pra vocês. A
churrasqueira ficou do lado de fora com tudo, com carne, com tudo. Eles levaram
tudo, quebraram tudo, um prejuízo bem pesado. Eles levaram as carnes. Quebraram
balança. Todos os utensílios eles carregaram. Os utensílios como faca, essas
coisas, eu consegui tirar. Tirar essas coisas, espeto ainda consegui tirar, mas
as carnes que estavam em cima da coisa, eles levaram tudo, destruíram tudo.

COMENTÁRIOS: