“Clube não pode ser culpado por briga de baderneiros”, diz Lédio.

17
Foto: Reprodução

SPORTV:
No clássico entre Fluminense e Flamengo, no próximo domingo, a Justiça do Rio
de Janeiro manteve a decisão de manter uma única torcida no Nilton Santos. No
entanto, o Ministério Público do estado ofereceu um acordo aos grandes clubes
para derrubar a medida e permitir novamente a divisão das arquibancadas em
clássicos.

Se
aceitarem, os clubes seriam multados em R$ 3 milhões em caso de brigas que
resultem em morte ou ferimentos graves. As torcidas organizadas também seriam
punidas, com a suspensão por três clássicos. Para o comentarista Lédio Carmona,
as medidas propostas não terão nenhum efeito sobre a violência no futebol
carioca.

Chega a ser infantil essa questão de punir o clube por briga fora de campo. O
clube não pode ser culpado por uma briga de baderneiros na rua. E o baderneiro
é punido com três jogos fora do estádio. São coisas completamente
inverossímeis, sem nenhum poder de transformação. Acho isso tudo uma grande
perda de tempo.
Flamengo,
Fluminense e a federação do Rio ainda lutam para reverter a decisão de torcida única
para a final da Taça Guanabara, neste domingo. Para Lédio Carmona, não há
nenhum meio de assegurar que os tricolores sejam os únicos no estádio Nilton
Santos.
– O
jogo de torcida única pode ser até mais perigoso que o jogo com as duas
torcidas. Como você vai controlar que a torcida do Flamengo não vai comprar
ingresso? Você tem um documento que prove qual é o seu clube? Você vai lá com
qualquer camisa, compra ingresso e entra. O cara quer ver o jogo. Chega a ser
infantil esse tipo de decisão, porque você não tem controle. A torcida
organizada do Flamengo, qualquer uma delas, pode entrar dispersa. Entra um
grupo aqui, outro ali, no meio da torcida do Fluminense.

COMENTÁRIOS: