Everton Ribeiro teria espaço no Flamengo com Diego e Conca?

91
GOAL: Everton
Ribeiro deixou o Brasil após brilhar pelo Cruzeiro e levar a Raposa aos títulos
brasileiros em 2013 e 2014. O destino escolhido foi o Al Ahli, dos Emirados
Árabes, com o qual o paulista de Arujá firmou contrato até 2019. O problema é
que o meia-atacante não quer mais permanecer no futebol árabe, e ainda sonha em
voltar a defender a Seleção Brasileira.
Quem
sondou a situação do jogador foi o Flamengo, e em um primeiro momento a pedida
do Al Ahli assustou os dirigentes na Gávea: para contar com o jogador de 27
anos, o Rubro-Negro teria que desembolsar 5 milhões de euros (cerca de R$ 17
milhões).
Hoje,
é impossível que Everton desembarque no Rio de Janeiro para vestir o ‘manto’. A
janela de transferências se encerra no próximo dia 4 de abril, e embora a
direção do Fla não comente a situação das negociações ainda há uma esperança de
conseguir esse reforço de peso caso Al Ahli abaixe a pedida.
Dentre
os atrativos para o ex-cruzeirense no Flamengo, estão o fato de que o clube
disputa a Libertadores da América e tem um dos elencos mais fortes do
continente. Mas será que Everton Ribeiro teria vaga fácil na equipe treinada
por Zé Ricardo? Quais seriam as melhores opções para encaixá-lo no meio de
tanta gente de qualidade?
No seu
auge como jogador, em 2013 e 2014, Everton jogou centralizado no 4-2-3-1 do
Cruzeiro, mas não era raro vê-lo mudando de posição com Ricardo Goulart, no
lado direito do ataque. Aliás, foi de uma tabelinha entre Everton e Ricardo que
o atual jogador do Al Ahli fez um dos maiores golaços de sua carreira – justamente
contra o Flamengo, em jogo válido pela Copa do Brasil de 2013, quando após
tabela iniciada pela direita, centralizou e, após encobrir o zagueiro, soltou a
bomba.

Até
por isso é muito fácil imaginar uma dupla espetacular entre Everton e Diego: os
dois poderiam revezar nas faixas centro/direita do campo e elevar o Fla a um
nível ainda maior no poder de criação e finalização de jogadas. E Zé Ricardo
nem precisaria quebrar muito a cabeça na parte tática: o 4-2-3-1 já estaria
prontinho para receber Everton.

A
grande questão aí é que o time ainda tem Darío Conca para estrear e aumentar a
competição entre os meias, além de contar com a velocidade de Berrío e Everton
pelos respectivos lados esquerdo e direito. Uma equipe recheada de meias
criativos é bom, mas o futebol atual demanda uma necessidade de contar com
extremos (ou pontas) pelos lados para ocupar o espaço, dar amplitude e criar
jogadas ofensivas. Dito isso, quem teria de sair para uma eventual entrada de
Everton Ribeiro no time?

COMENTÁRIOS: