Mansur destaca diferença entre os “camisas 10” Diego e Scarpa.

66
Gustavo Scarpa, meia do Fluminense, e Diego Ribas, meia do Flamengo – Fotos: CBF

CARLOS
EDUARDO MANSUR
: Nove anos separam as idades de Diego e Scarpa. Na perspectiva
histórica do futebol, nem é tanto tempo. Mas a diferença de idade entre os dois
principais criadores de jogadas de Flamengo e Fluminense, finalistas da Taça
Guanabara, ajuda a demarcar a transformação do papel do chamado “camisa 10”, o
meia pensador, em outros tempos o homem de ligação, na caminhada recente do
futebol

Aos 32
anos, Diego volta à seleção brasileira como um dos últimos exemplares de um
tipo de jogador periodicamente idealizado como sonho de consumo de clubes,
embora raro no mercado por exigências do futebol atual: o meia que joga
centralizado, habitando a intermediária ofensiva, à frente dos volantes e por
trás do atacante, aproximando-se da área e, por vezes, entrando nela para
finalizar. É o 10 clássico (mesmo com o 35 às costas), com menos
responsabilidades de marcação, de quem se espera o passe que abra defesas,
cerebral na zona do toque decisivo. Deste tipo de jogador, nunca se esperou o
ritmo nem a intensidade cobrados no jogo atual. Uma espécie cada vez menos
vista, embora não extinta, porque o futebol recusa impossibilidades
definitivas.
Mas o
jogo atual tem a marca da escassez de espaços. E estes se tornaram ainda mais
raros no centro do campo, perto das áreas. O criador tradicional se viu cercado
de obstáculos, sufocado. Aumentaram as exigências do jogo, a ponto de o
meio-campo ser povoado por jogadores de grande capacidade física: ou aptos a
jogar de área a área, ou armadores que iniciam o jogo junto aos defensores e
assumem funções defensivas vitais. Defesa e ataque não são mais departamentos
independentes.
A
consequência é que se tornou habitual ver a lateral do campo virar o refúgio
dos meias de bom passe e dos pensadores do jogo desde a periferia do campo.
Buscam espaço e gerar surpresa: iniciam o lance na ponta e, partindo para o
meio, confundem a marcação. Assumiram também as novas atribuições do cargo,
como acompanhar o lateral rival na marcação, cobrindo quase os 100m de campo.
A
seleção a que Diego vai se juntar é um exemplo: a função que o rubro-negro
exerce não existe no sistema atual. No centro do campo, Tite usa Paulinho e Renato
Augusto, homens que combinam boa técnica e capacidade física suficiente para
jogar de uma área à outra, abrangendo imensas porções de campo num esforço
brutal. E Philippe Coutinho, um meia criador por excelência, parte da
ponta-direita para o meio.
É
neste protótipo do 10 moderno, produto do jogo atual, que se encaixa Gustavo
Scarpa, 23 anos. Dúvida para a final, tem importância vital para o Fluminense
por executar tudo o que se convencionou esperar deste novo meia. Tem a
vitalidade para defender pelo lado do campo, tem o domínio do tempo para buscar
a zona central e surpreender o rival, tem o chute de fora da área e tem o
passe.
Se
jogar, formará com Diego a dupla de cabeças pensantes da decisão. É justo
valorizá-los. Construir é sempre mais difícil do que destruir.
A bola não dá tempo
As
idas e vindas em torno da decisão revelam a pior face da relação do Brasil com
a violência das torcidas: não há plano. Entre o recurso à torcida única, que
pode ser uma etapa aceitável diante do descontrole e até o país entender que
está diante de uma complexa questão de estado, e a manutenção dos estádios
divididos, dois extremos hoje imperfeitos, produzem-se vítimas e achismos.
O
Ministério Público do Rio decreta a torcida única com a concordância de um
juiz, mas um desembargador entende o oposto. Polícias de cada estado agem de
forma distinta, na tentativa e erro. Nunca discutido, o necessário engajamento
dos clubes tem formato ideal desconhecido. Mas nenhum passo é dado rumo a um
sistema de prevenção e inteligência traçado nacionalmente, envolvendo governos
e judiciário. Não se discutem ideias. Instituições se digladiam para realizar
um jogo, mas o futebol não parou para refletir sobre uma morte na porta de um
estádio. A bola não dá tempo.

COMENTÁRIOS: