“Me incomoda Léo Duarte não jogar”, diz técnico do Flamengo.

74
Zagueiro Léo Duarte durante treino do Flamengo – Foto: Gilvan de Souza

EXTRA
GLOBO
: Professor de escola pública infantil e com mais de dez anos de
experiência em futebol de base, o técnico Zé Ricardo é visto hoje como o melhor
quadro no Flamengo para administrar a transição de jovens para o profissional.
A pouca experiência no comando do time principal se torna irrelevante quando o
treinador fala do aproveitamento dos garotos já integrados ao elenco e de joias
em ascensão, como Vinícius Júnior. A pressão crescente por chances para as promessas
foi respondida com a maior naturalidade, e a regra é: sem pressa.

Ao
falar de Vinícius Júnior, de 16 anos, ou de outros jovens, como Ronaldo e Léo
Duarte, ainda pouco testados, Zé Ricardo lembrou que tudo que os garotos
apresentam nas categorias inferiores tem outras referências quando estão
inseridos no time profissional. Por isso, o técnico defende o aproveitamento de
Vinícius Júnior aos poucos nos treinos e no time só no Brasileiro.
– Ele
fez um amistoso com o Serra Macaense, e viu que o ritmo é diferente da
categoria, temos que ter cuidado, não queremos qualquer tipo de confronto que
possa prejudicar a carreira dele – avisou, citando o impacto maior.
Talvez
por isso os demais jovens já integrados venham entrando bem aos poucos no time.
Lucas Paquetá e Felipe Vizeu ganharam as últimas chances, assim como Matheus
Sávio. Outros ainda aguardam oportunidade e sofrem com a concorrência no
elenco, como Ronaldo e Léo Duarte. Esses, Zé Ricardo acredita que estão prontos
e podem render frutos.
– Me
incomoda muito não termos colocado Léo Duarte para jogar. Tem uma técnica muito
grande e um nível muito alto. Está amadurecendo bastante. Último jogo que fez
inteiro acho que foi com o Palmeiras, mas temos grandes atletas no plantel –
avaliou o treinador, garantindo ainda um planejamento para Ronaldo, que
concorre com Márcio Araújo, Rômulo, Arão e Cuéllar.
No
caso de Vinícius Júnior, o plano é a longo prazo. E envolverá toda a diretoria
em discussão constante.
– Não
é só decisão do Zé Ricardo. Eu, Rodrigo Caetano, o presidente, Mozer, Cadu e
Noval da base, teremos alguma proposta para ele treinar no time principal. Quem
sabe poderemos colocar no Brasileiro – vislumbrou Zé, que conhece o garoto há
anos.

Conheço ele desde 2012, e todos do clube sabiam do seu potencial. Garoto de
categoria juvenil, já treinou aqui, não é novidade para os profissionais –
lembra.
Alvo
de gigantes europeus, Vinícius tem em Zé Ricardo seu mais completo professor
antes de despontar para o mundo. E precisa aproveitar.

COMENTÁRIOS: