Árbitro que deu pênalti ridículo para Vasco trabalha em Bota x Flu.

17
Foto: Divulgação

UOL: Um
dos responsáveis pela maior polêmica do Campeonato Carioca até aqui, o
assistente Daniel do Espírito Santo Parro deixará a “geladeira”
somente 14 dias após ser suspenso “por tempo indeterminado”. Ao lado
do árbitro Luís Antônio da Silva Santos, ele assinalou um pênalti inexistente
para o Vasco no clássico com o Flamengo em Brasília (DF).

Parro
trabalhará na semifinal da Taça Rio neste domingo (9), na partida entre
Botafogo e Fluminense, ao lado do também assistente Rodrigo Figueiredo Henrique
Corrêa e do árbitro Alexandre Vargas Tavares de Jesus.
Parro
ganhou as manchetes porque apontou que houve toque de mão de Renê no finzinho
do clássico. O lance definiu o 2 a 2 entre os dois rivais e gerou muita
polêmica dos dois lados.
Logo
após o erro no Vasco e Flamengo, Sérgio Santos, Membro da Comissão de
Arbitragem e de Futebol do Rio de Janeiro (Coaf-RJ), explicou os motivos que
levaram ao afastamento de Parro e Luís Antônio da Silva Santos.
“Um
é o posicionamento ruim do Luiz Antônio, que ficou encoberto no momento do
toque. E o outro é a não participação positiva do primeiro assistente, Daniel
Espírito Santo, pois ele deveria informar o árbitro que a bola não bateu na mão
e ele poderia votar com a sua marcação. Tendo em vista isto, a Coaf decidiu
pelo afastamento dos dois por tempo indeterminado”, disse em vídeo.
O UOL
Esporte tentou falar com Jorge Rabello, presidente da Coaf, mas não obteve
contato até a publicação desta reportagem.

COMENTÁRIOS: