Jornalista detona diretoria do Flamengo por vídeo: “Querem sangue”

24
Trecho do vídeo exibindo sangue rubro-negro – Foto: Reprodução

FOLHA
DE SÃO PAULO
: Por Mariliz Pereira Jorge

Pelo
visto também gostamos de sangue. Só isso explica a falta de sensibilidade e de
timing da diretoria do Flamengo ao aprovar o vídeo para a campanha “Isso
aqui é Flamengo!”. O objetivo, dizem, era mexer com o emocional da
torcida. Resta saber que tipo de torcedor ficou “mexido” com um filme
tão sombrio.
O
Flamengo acabou de ter integrantes da Torcida Jovem presos pela morte do
botafoguense Diego dos Santos. Fico perplexa ao pensar na quantidade de gente
envolvida na criação de uma campanha dessa e ninguém para dizer que o resultado
é de mau gosto atroz, além de mostrar a total falta de conexão com a urgência
de colocar um ponto final nos episódios de violência entre as torcidas.
O
comediante Claudio Manoel, torcedor do Flamengo, descreveu com perfeição, por
que o resultado final incomodou mesmo gente muito apaixonada pelo time.
“Além
do ufanismo meio babaca e metido a machinho, a ‘peça’ tem uma óbvia associação
de futebol/torcida com raiva/violência, não só no tom e conteúdo do texto,
passando pelo ‘som’, com a simbiose clichê: ‘batimentos cardíacos/adrenalina’,
mas, principalmente, nas várias imagens de gosto e conceito pra lá de
duvidosos: um coração sendo esmagado, um líquido vermelho que faz alusão a
sangue e o slogan final escrito em chamas, com uma simbologia também óbvia.
Acho que orgulho e paixão são uma coisa, raiva e exibição de testosterona,
outra. A campanha visa encher os estádios com famílias ou hooligans? Atrai mais
rivalidade e ódio ou o público feminino? A quem tem como alvo: os que amam ou
os irados?”
Pelo
jeito os que querem sangue.

COMENTÁRIOS: