Kleber Leite também quer Galvão narrando jogos do Flamengo.

25
Foto: Divulgação

KLEBER
LEITE
: Está rolando pelas redes sociais, naturalmente entre os torcedores
rubro-negros, uma série de apelos contundentes para que, pela Libertadores,
contra o Atlético Paranaense, a direção de esportes da Globo escale Galvão
Bueno para narrar o jogo.

Esta
ação acaba sendo uma justa homenagem a Galvão Bueno, a meu conceito, o maior
comunicador esportivo da televisão brasileira. Claro que o que rola, começa
pela paixão de quem interage com o profissional em questão. Galvão, para quem é
Flamengo, é sopa no mel, é juntar fome com vontade de comer. Em frente à
telinha, o torcedor do mais querido do Brasil curte a narração, sabedor que
atrás daquela voz há um coração rigorosamente igual ao dele, onde circula um
sangue diferente. Sangue rubro-negro.
Claro
que, pelo nível profissional dele e da Rede Globo, jamais a paixão pelo
Flamengo fará o comunicador em questão distorcer um lance. Se por acaso ocorrer
um fato real que não seja bom para o Flamengo, como por exemplo um pênalti a
favor do adversário, será transmitido retratando a realidade, de mãos dadas com
a verdade. Ao mesmo tempo, mesmo sabedor de que não terá um cúmplice na arte de
distorcer, o nosso torcedor adora saber que voz e imagem que invadem a sua casa
frequentam a mesma igreja e, praticam a fé através da mesma religião.
Talvez
ninguém tenha notado que não me referi a Galvão Bueno como narrador e,
proposital foi. O que difere, entre tantas coisas, Galvão de todos os outros profissionais
e, sem desmerecer ninguém, é que todos narram, Galvão, comunica.

COMENTÁRIOS: