Maracanã: Flamengo cogita bancar custos para liberação de Setor.

172
Flamengo cogita bancar custos para instalação de cadeiras no Maracanã – Foto: Rainer Schulze

RODRIGO
MATTOS
: Uma vistoria do Corpo de Bombeiros determinou o fechamento do setor
leste superior do Maracanã para jogos do Flamengo e Fluminense por falta de
cadeiras. O clube vai correr para adotar medidas para recolocar os assentos no
lugar até a partida diante do Atlético-PR pois já vendeu ingressos para os
lugares. Mas não há certeza se haverá tempo hábil para os ajustes e uma nova
vistoria dos Bombeiros.

A
assessoria dos Bombeiros informou que em uma vistoria foi constatado que havia
número de assentos menor do que os 8 mil lugares, e notificou a Odebrecht de
que teria de manter fechado o setor até serem recolocados os assentos. A
informação foi publicada primeiro no blog da Gabriela Moreira, na ESPN, e
confirmada pelo UOL.
A
interdição do setor ocorreu porque as pessoas ficariam em pé no setor e isso
poderia causar público maior do que o previsto no estádio, atrapalhando rotas
de fuga.
A
Odebrecht atribuiu o problema ao Comitê Rio-2016 que não teria colocado no
lugar todos os assentos retirados para os Jogos. Por isso, não fará nada já que
espera que o comitê acerte essas pendências como previsto em contrato e em
acordo recente.
O
Flamengo já vendeu ingressos para o setor e agora vai correr para resolver o
problema. A primeira medida é tentar pressionar a concessionária para resolver
a questão. Mas a determinação é de que, se for necessário, o clube vai tomar
providências por conta própria para botar as cadeiras no lugar e manter o setor
aberto.
Até
porque, o clube entende que a renovação do alvará dos Bombeiros seria perdido
no dia 15 de abril quando deveria haver sua renovação. Sem os assentos, o
organismo público poderia não permitir que o estádio ficasse aberto. O
Bombeiros ainda não confirmou essa informação.
No
caso do Fluminense, o clube já tinha deixado de vender assentos para o setor
temendo uma interdição, portanto, não enfrenta o mesmo problema.

COMENTÁRIOS: