Nem jogadores entendem o regulamento do Campeonato Carioca.

26
EDU ANDRADE/FATOPRESS/ESTADÃO

UOL: “Uma
bagunça!”. As palavras resumem o pensamento de Bruno Silva, do Botafogo,
sobre o regulamento do Campeonato Carioca, mas ele não está sozinho. Como o
volante alvinegro, a maioria dos jogadores que disputam a competição este ano
reclama do formato do Estadual. Chegada a hora das decisões da Taça Rio, que se
iniciam neste fim de semana, muito dos boleiros sequer conseguiram compreender
as regras e não poupam críticas ao formato.

Abaixo,
o UOL Esporte separou algumas das opiniões de personagens dos quatros clubes
grandes que se enfrentam a partir deste sábado, às 18h30, no Maracanã, com
Flamengo e Vasco, e no domingo, às 16h, no Nilton Santos, no duelo entre Botafogo
e Fluminense:
BOTAFOGO
Sassá (atacante)
“Não
entendi nada desse campeonato ainda. Estou no campeonato, a gente vai… Eu
olho na programação, vejo o jogo que é, concentro e vai, porque esse campeonato
embaraçou muito a nossa cabeça”, disse ao Sportv.
Bruno Silva (volante)
“Estou
começando a entender o campeonato agora. Uma bagunça. Mas por se tratar de um
clássico, a vontade é jogar e conquistar essa vitória”.
Gilson (lateral esquerdo)
“Uma
loucura isso aí. Tem essa situação do regulamento. O Jair ainda não falou
conosco sobre isso. Domingo temos um jogo importante e precisamos vencer
novamente para chegarmos entre os quatro na classificação geral do Carioca e,
consequentemente, nos classificamos na Taça Rio”.
FLAMENGO
Zé Ricardo (técnico)
“Teste
nunca é e nunca foi. Clássico é clássico. Da forma como foi formatado o
Campeonato Carioca… enfim. A gente precisa entender que todo jogo tem sua
importância, ainda mais um Flamengo e Vasco. Queremos ganhar essa semifinal e,
se possível, conquistar a Taça Rio”.
Réver (zagueiro)
“É
um pouco confuso, mas temos que nos preparar independentemente da tabela e do
regulamento. Temos um grupo forte”.
FLUMINENSE
Diego Cavalieri (goleiro)
“Infelizmente
é um regulamento confuso, sem sentido. Mas se trata de um clássico, uma
semifinal, possibilidade de jogar outra final. Não define nada, mas é jogo
importante, de peso. Se vencer, traz confiança. A mentalidade nossa é essa,
sempre buscar a vitória e evoluir. Para os quatro times que estão na fase final
o pensamento é vencer, mesmo sem definir o Estadual. Caso se apresente bem e
passe, dá um peso e confiança”.
Abel Braga (técnico)
“O
regulamento é feito para os quatro grandes chegarem ali. Daqui a pouco sabe o
que pode acontecer? Podem ter cinco Fla-Flus em um mês. Se passarmos, podemos
pegar o Flamengo de novo. Depois pode ser na final. Acho muita coisa. De
repente foi feito para recuperar nos clássicos”.
Sornoza (meia)
“Muito
complicado por conta da situação. É um pouco confuso, mas essas são as regras.
Como jogador, vou dar meu melhor em campo e esperamos ser campeões”.
Marquinho (meia)
“Não
adianta a gente falar, não vai fazer diferença nenhuma e vai acabar criando uma
polêmica desnecessária. Acho que o Carioca tinha seu charme, porque tinha a
Taça Rio e a Taça Guanabara , quem ganhasse os dois era campeão direto. Não
adianta ficarmos reclamando que não vai mudar nada”
VASCO
Martín Silva (goleiro)
Representantes
do clube que é o maior aliado da Ferj, os funcionários do Vasco são os que mais
procuram não polemizar na avaliação do Campeonato Carioca e preferem valorizar
o clássico com o rival Flamengo.
“O
clássico sempre leva uma responsabilidade de vitória. É uma decisão. A Taça Rio
não define nada, mas tem uma taça em jogo. Temos a obrigação de brigar pelo
título”, declarou o goleiro Martín Silva, que foi acompanhado de seu
treinador Milton Mendes: “Vasco x Flamengo vale sempre muita coisa. Jogo
bom. Todos nós queremos estar dentro do espetáculo”.

COMENTÁRIOS: