Nova Iguaçu tem CT e salário em dia, oposto de Botafogo e Vasco.

26
Bernardo Gleizer / Flickr do NIFC

UOL: O
ditado popular “água no chope” costuma ser empregado a uma situação
de frustração sobre algo que já estava previamente esperado e comemorado. No
caso de Botafogo e Vasco, um inesperado sabor de “laranja” é que
poderá amargar as tulipas da dupla neste Campeonato Carioca.

Considerado
ainda um “caçula” do futebol brasileiro, com 27 anos completados
justamente neste sábado (1), o Nova Iguaçu, apelidado de “Laranja da
Baixada”, chega à última rodada da fase de grupos com chances reais de
obter vaga não somente nas semifinais da Taça Rio como também na do Estadual.
Neste
domingo, às 16h, em Moça Bonita, o clube, criado por 25 profissionais liberais,
tem um duelo decisivo contra o Vasco e uma vitória poderá garantir os dois
avanços, o que significará a queda precoce de ao menos um dos grandes na
competição.
Com as
vagas ou não, o certo é que o time da Baixada Fluminense já fez história.
Afinal, esta já é a melhor campanha do clube desde a sua fundação no Campeonato
Carioca (veja no tópico “A matemática” as chances de classificação do
Nova Iguaçu).
Estrutura
A boa
campanha do Nova Iguaçu não é por um acaso. Já há alguns anos, o centro de
treinamento do clube é um dos mais modernos do Rio de Janeiro. A estrutura
conta com cinco campos de treino (sendo um com medidas oficiais), seis
vestiários, duas academias, piscina térmica para tratamento de lesões,
departamentos de odontologia, nutrição, fisiologia, fisioterapia e reposição
alimentar, quadra poliesportiva, auditório e caixa de areia.
Além
disso, o Laranja da Baixada possui um estádio construído em 2008 com recursos
próprios para 2 mil pessoas e que fica situado dentro do próprio CT. Ele é
chamado de Janio Moraes, nome do atual presidente.
O
clube também foi o primeiro do Rio de Janeiro a receber o Certificado de Clube
Formador da CBF – Nível A, que atesta a infraestrutura e o trabalho realizado
nas categorias de base. Hoje, além do Nova Iguaçu, apenas Flamengo, Fluminense
e Botafogo possuem a certificação no estado.
“A
gente trouxe nossa experiência de mercado financeiro e administrativo para um
clube de futebol. Você vai entrar no CT e não vai ter um papel no chão, um
banheiro sem dar descarga. Muitos perguntam como chegamos nesse nível. Por
causa do presidente? Do técnico? Por causa de ninguém. É um conjunto de coisas
que levam o Nova Iguaçu a esse nível: ter uma estrutura como a gente tem – que
dê condições para os atletas e comissão técnica trabalharem – criar identidade
com o clube, o que é muito importante. É criar esse compromisso moral…”,
destaca Moraes.
‘Fruto da terra’, Deivid ‘construiu’ CT
Os jovens
formados nas divisões de base do Nova Iguaçu são carinhosamente chamados de
“frutos da terra”. E a primeira colheita que deu retorno ao clube
chama-se Deivid, ex-atacante de Flamengo, Cruzeiro e Santos e que atualmente
trabalha como treinador do Criciúma. Segundo Janio, com o dinheiro da venda, o
Laranja da Baixada construiu seu CT.
“O
Deivid surgiu quando tínhamos o nosso primeiro campo. Quando o negociamos (para
o Santos), construímos o nosso CT. Muitos poderiam usar o dinheiro para outras
coisas, mas investimos. Na época, dizíamos: ‘Se conseguimos fazer o Deivid com
pão puro e recheio de nada, imagina quando colocarmos queijo e
presunto?'”, se recorda.
Após
Deivid, o clube revelou, entre os mais famosos, Cortês (lateral esquerdo do
Grêmio e com passagem pela seleção brasileira), Airton (volante do Botafogo),
William Barbio (atacante do Santa Cruz), Biro-Biro (atacante ex-Fluminense e
Ponte Preta e hoje na China), Amaral (volante ex-Flamengo e Vitória) e Schwenck
(atacante ex-Botafogo).
Sem salários atrasados
Presidente
e fundador do Nova Iguaçu, Janio Moraes garante que o clube nunca atrasou
salários de funcionários e jogadores, algo raro no futebol brasileiro.
“Temos
a seriedade de conduzir todos os compromissos em dia. Temos isso como praxe.
São 27 anos assim. Tivemos problema com apenas um jogador de colocar na
Justiça, em que ele não foi bom caráter. Isso é um ponto muito positivo para
nós. O jogador sabe que vai jogar e receber”, declarou o dirigente.
O
gasto atual com a folha mensal de salários do elenco da Laranja da Baixada é de
cerca de R$ 130 mil.
O
clube teve recentemente quitada uma dívida de R$ 1 milhão que tinha a receber
do Vasco em função da venda do goleiro Diogo Silva, hoje na Luverdense: “O
Eurico é um homem de palavra”, elogia Janio.
Projeto Série D
O Nova
Iguaçu já está assegurado na disputa do Campeonato Brasileiro da Série D e quer
alçar voos mais altos em âmbito nacional. Para a competição, a diretoria está
investindo no seu estádio para que possa mandar seus jogos por lá e está
construindo cabines de rádio e TV, algo exigido pela CBF para partidas não só
da Série D como da C também.
“Temos
muito interesse em buscar isso (alçar voos mais altos), mas temos que estar
consolidados, preparados para encarar essa batalha que é o futebol”,
declarou Janio.
O apelido
O
apelido de Laranja da Baixada vem em função do escudo e das cores da camisa do
clube, que fazem uma alusão à época em que a cidade de Nova Iguaçu era a maior
produtora de laranjas do Brasil.
Já o
puma alado no escudo representa, segundo o clube, a garra e a determinação em
busca da vitória.
A matemática
Na
Taça Rio, o Nova Iguaçu ocupa a terceira colocação do Grupo B com os mesmos 10
pontos do Botafogo – ficando atrás nos critérios de desempate – e com um a
menos que o Flamengo. O resultado positivo diante do Vasco neste domingo somado
ao tropeço do Rubro-Negro ou do Alvinegro significará a classificação ao
“Orgulho da Baixada”.
Já na
classificação geral, que dá vaga à decisão do Carioca, o Nova Iguaçu está em
quinto lugar com 16 pontos, um a menos que o Botafogo e dois a menos que o
Vasco. Uma simples vitória sobre o Cruzmaltino coloca o Laranja Iguaçuano nas
semifinais do Estadual.
“No
começo perdíamos de goleada para os grandes na base. Hoje é pau a pau. Esses
quatro que estão no profissional (Lucas – lateral esquerdo, Vinicius Matheus –
volante, e os atacantes Marlon e Wescley), se acostumaram a ganhar dos grandes
na base. Eles vão com certa confiança jogar no profissional”, informa
Janio Moraes, avisando que o Nova Iguaçu não temerá a decisão contra o Vasco.

COMENTÁRIOS: