PC Vasconcellos vê necessidade de recuperar o Maracanã.

9
Foto: Reprodução

SPORTV:
O Fluminense fez bonito dentro e fora de campo na partida desta quarta-feira
contra o Liverpool-URU, pela Copa Sul-Americana. Além da vitória por 2 a 0 na
partida de ida, o público de 37 mil presentes agradou até o presidente do
clube, Pedro Abad, que prevê lucro com a renda da partida. Mais do que isso,
também marcou a reestreia do Maracanã, que vinha sendo alvo de disputas
judiciais recentemente.

No
“Troca de Passes” desta quarta-feira, o comentarista Paulo César
Vasconcellos analisou a volta do estádio e comparou a trajetória do palco
histórico com o samba, outra marca do povo carioca. Para ele, o estádio faz
parte da vida da população do Rio de Janeiro e é impossível que o Maracanã seja
deixado de lado por conta das recentes polêmicas.

Tempos atrás, no século passado, tinha uma época em que se dizia que o samba ia
acabar. E aí surgiram sambas dizendo “Não deixe o samba morrer” e
também o “Samba agoniza mas não morre”. O que você está vendo aí no
Maracanã é que não adianta, o torcedor do Rio de Janeiro gosta de ir ao
Maracanã. “Ah, não é mais aquele”, não é mais aquele Maracanã que eu
quando garoto frequentei, mas o público do Rio de Janeiro quando sabe que o
jogo é no Maracanã, dá um jeito de ir. Mais do que nunca é necessário, como
disse o Abel (Braga) em entrevista, recuperar o Maracanã, ele faz parte da vida
do torcedor do Rio de Janeiro. Não dá para esse torcedor dar uma banana para o
Maracanã, ele não consegue isso – analisou.
O
principal palco do estado do Rio de Janeiro já tem data para receber o próximo
confronto: Vasco e Flamengo se enfrentam para decidir uma das vagas na final da
Taça Rio. O jogo acontece no próximo sábado, às 18h30.

COMENTÁRIOS: