Runco diz que Tannure quer ibope no Flamengo: “Foi reprovado”

44
José Luiz Runco e Márcio Tannure, médico do Flamengo – Foto: Alexandre Vidal

GLOBO
ESPORTE:
A “crise do bisturi” provocada pela saída de Guilherme Runco
do departamento médico do Flamengo ganhou novo capítulo nesta segunda-feira,
quando o pai do profissional e ex-chefe do DM, José Luiz Runco, questionou
novamente ao blog “Extracampo”, da jornalista Marluci Martins, o
trabalho de Márcio Tannure. Desta vez, Runco Luiz abordou a lentidão no
processo de recuperação de Ederson, que não atua desde julho de 2016. O camisa
10 não entra em campo há nove meses.

– Não
sei o que está acontecendo com o Ederson. Essa demora não tem a ver com a
cirurgia. O Márcio sempre me passou que o problema era de equilíbrio muscular.
Não sei por que ele não volta. A única pessoa que pode responder isso é o
Márcio Tannure. Na pior das hipóteses, era para o Ederson ter voltado em
novembro – disse Runco ao “Extra”.
Runco
ainda chamou Tannure de “traíra” e lembrou que o chefe do
departamento médico do Fla disse a Guilherme Runco e Marco Aurélio Souza, sócio
de Runco, que eles passariam a ser os responsáveis pelas cirurgias do futebol
rubro-negro. Isso, inclusive, o fez deixar a consultoria que prestava ao
Flamengo desde que deixou o clube.
O
GloboEsporte.com tentou contato com Márcio Tannure, Eduardo Bandeira de Mello,
Fred Luz e José Luiz Runco. Tannure foi orientado a não falar. O presidente do
Flamengo preferiu não fazer comentários, e os outros dois se posicionaram.
Diretor
geral do Flamengo, Fred inicialmente também não queria falar até que “a
poeira baixasse”, porém, ao fim do contato telefônico, optou por registrar
um elogio ao chefe do departamento.
– A
gente considera muito bom o desempenho da área que o Márcio Tannure lidera, o
Centro de Excelência em Performance. Estamos muito satisfeitos com o trabalho
nesta área – afirmou Luz.
A
reportagem entrou em contato para saber com José Luiz Runco por que o ex-chefe
do DM rubro-negro imaginava que Ederson voltaria em novembro, como disse ao
blog “Extracampo”. Ou seja, quatro meses após o carrinho do
corintiano Fagner. Responsável pela cirurgia, Runco disse que o procedimento
foi feito corretamente.
– No
início desse ano, perguntei ao Márcio, e ele falou que era desequilíbrio
muscular. Perguntei: “É o joelho”? Ele disse: “Não, o joelho
está legal”. Ele, inclusive, foi avaliado pelo doutor Bertrand
(Sonnery-Cottet) na França, onde o Ederson jogou pelo Lyon, até para que o
doutor desse uma olhada na cirurgia e viu-se que não tinha absolutamente nada –
disse Runco ao GloboEsporte.com.
Confira
a entrevista com José Luis Runco abaixo:
Ederson deveria ter sido operado logo após
a pancada sofrida diante do Fagner?
Ele
tinha um edema ósseo. Então tecnicamente você tem que esperar o edema regredir
para depois fazer a cirurgia. Até aí está tudo correto. Regrediu o odema,
operamos, e depois ele esteve comigo no pós-operatório e iniciou o trabalho no
final do ano.
Tanurre disse em coletiva que, ao lado dos
médicos Gustavo Caldeira e Rodrigo Furtado, operou Diego, mas o senhor
questionou na entrevista ao blog “Extracampo”, afirmando que ele não
é cirurgião. Por quê?
Eu
deixei de fazer a consultoria porque ele disse que o doutor Guilherme Runco,
meu filho, e o doutor Marco Aurélio Souza, meu sócio, seriam os responsáveis
pelas cirurgias do futebol do Flamengo. Eles fizeram a do Thiago Santos, que
está voltando agora com quatro meses, do Thiago, reserva do Muralha e de outros
garotos da base. Aí o Márcio Tannure não falou nada, não quis dar
“ibope”. Agora, quando veio a operação do Diego, em que poderia haver
uma repercussão maior pelo trabalho do profissional (Guilherme), ele quis
cortar o caminho, inclulsive dizendo que tinha operado o Diego.
Então Márcio não operou o Diego?

Márcio
Tannure não opera, não é cirurgião. Tomou pau em duas provas para a Sociedade
Brasileira de Cirurgia do Joelho. Foi reprovado. Tem matéria de vocês em que
ele fala que ficou seis anos entrando comigo em cirurgias. Minha
instrumentadora entra em cirurgias que faço há 30 anos e não opera (risos).
Entrava, ficava olhando e auxiliava. Auxiliar é diferente. Bota a mão na
cumbuca? Conheço auxiliar de cozinheiro, mas ele não bota a mão na cumbuca.
Tenho todo comprovante que ele não operou. O único médico que operou o Diego
foi o doutor Rodrigo Furtado. O Gustavo Caldeira também não operou, só
auxiliou.

COMENTÁRIOS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here