Unidos em prol do Flamengo.

10
Foto: Divulgação

FALANDO DE FLAMENGO: Por Thiago Nascimento

Todo
brasileiro é “esculpido” por ditos populares.
É
inegável que em algum momento de nossas vidas, escutamos tais ditos (mesmo
quando não queríamos escutar). E geralmente, eles são pronunciados por: pais,
avôs e avós, professores, chefes de trabalho…
E um
dos ditos mais populares do Brasil, é sempre utilizado quando o indivíduo pensa
em constituir um casamento: “Quem casa, quer casa.”
Podemos
dizer que é um dito mais que verdadeiro. Afinal de contas, alguém deseja morar
na casa da sogra para sempre? Acho que não né?
Porém,
existe um casal que nunca se livrou de tal situação. E esse casal atende pelos
nomes de:
Quando
pensamos que tal casal vai se libertar da casa sogra, lá está ele com o pires
na mão. Ou conhecido também por: “sem eira nem beira”.
A
situação não está fácil para ninguém (opa! Olha outro dito aí). O atual cenário
do país não é motivador para a realização de grandes investimentos. É hora de
ser conservador, e não ousado. E todo e qualquer passo tem que ser
milimetricamente calculado, afim não se colocar em uma situação mais incômoda
do que a situação atual. É o famoso “não dar o passo maior que a perna”(olha
mais um dito popular aí gente!).
Porém,
quem já se encontra em uma situação caótica, não resta outro caminho a não ser,
sair da inércia e ir à luta (não aguentei, desculpe. Mas, tive que colocar mais
um dito popular aqui). E nessa situação caótica, encontra-se o Flamengo e sua
torcida, sem um estádio pra jogar.
Observando
o fardo Rubro Negro, conseguimos fazer uma analogia do estádio do Flamengo com
a história de um caminhante do deserto: O sujeito enxerga um oásis, se
aproxima, bebe água e descansa, com o intuito de se recuperar e caminhar em
direção ao fim de sua jornada. Mas quando se dá conta, o fim do deserto
encontra-se muito, muito, muito mas muito distante…
Bom
voltemos à casa da sogra. E diga-se de passagem que, pior que morar com a
sogra, é ter que aturar os parentes… E vamos ser sinceros, aqui no Rio de
Janeiro, o que mais têm é parente enchendo o saco do Flamengo.
Então,
por conta de toda essa situação, podemos dizer que: Já deu! Depois de anos e
anos nessa situação. É necessário procurar uma outra moradia: Uma casa própria!
E
nesse caso, as únicas pessoas que podem ajudar o casal Flamengo/Torcida nesse
exato momento, são os seus parentes. E esses parentes atendem pelo nome de:
correntes políticas do clube. O momento é crítico, e exige a união de todos.
Acredito
que a Nação Rubro Negra em peso, torce para que essa união aconteça. E que cada
corrente política do clube possa colaborar nesse momento. Que as discussões ou
arestas sejam aparadas (ou não), mas que a construção de um possível estádio do
Flamengo passe a ser a prioridade. Afinal de contas, o Flamengo só tem a ganhar
com uma atitude honrosa como essa. O momento é delicado, portanto o “mimimi”
não pode prevalecer.
Que
exista a humildade dos que necessitam de ajuda e que peçam ajuda. Aqueles que
podem colaborar e caso não tenham sido convocados, sejam humildes e ofereçam
ajuda também. Façam isso pelo bem do Flamengo.
Que
todos formem um único quadro colaborativo com ideias. E que essas ideias possam
ser transformar em projetos, e que esse projetos se tornem realidade.
E que
todas essas ações possam conter toda a transparência possível para sócios,
torcida e opinião pública. E que com isso, possamos servir de exemplo para a
sociedade. Um exemplo de união para um bem em comum. O Flamengo unido é muito
mais forte. E acredito que só assim, conseguiremos erguer a nossa própria casa
Rubro Negra.
E quem
for Rubro Negro(a) honesto(a) mas que não seja sócio, porém tenha a toda a
competência que a situação exige, se apresente e colabore também! Toda
contribuição é muito importante!
O
casal Flamengo/Torcida não pode mais esperar… Ou então, continuaremos morando
na casa da sogra e pior, com vizinhos/cunhados enchendo a nossa paciência
eternamente.
Pois
para sairmos dessa situação calamitosa, só com aquele outro famoso dito
popular: “A união faz força”.
Saudações
Rubro Negras.

COMENTÁRIOS: