Brasileirão 2017 promete ser diferente de todos os outros. Entenda!

11
Cesar Greco / Fotoarena

O
GLOBO
: O ano de 2017 será lembrado como aquele em que a temporada se tornou um
grande organismo.

Os
estaduais mantiveram seus papéis de prelúdio do Brasileiro, mas os torneios
paralelos – isto é, a Libertadores, a Sul-Americana e a Copa do Brasil – se
fundiram num sentido maior, em que as coisas começam mais ou menos juntas e
terminam com um grande clímax entre novembro e dezembro, de onde sairão quatro
campeões.
Isso
muda algo? Certamente.
Significa
que, mesmo num calendário ainda imperfeito, a maioria dos clubes vai vivenciar
o ciclo de forma semelhante, sem que o Brasileiro seja esnobado por quem se
empanturrou com alguma glória em junho/julho. O recente paralelismo da Copa do
Brasil – com a final acontecendo ao fim do ano, e não no meio – já teve
efeitos, uma vez que o número de vagas continentais pode ser repentinamente
ampliado se seus finalistas estiverem no alto da tabela. Isso injeta
competitividade entre os times intermediários, aumentando a competitividade.
Ao
mesmo tempo, os torneios de mata-mata servem para cortar aquele tediozinho que
bate quando só existe o Brasileiro e nada mais. Haverá a sensação de que tudo
acontece ao mesmo tempo, com clubes parando no funil da Libertadores, da
Sul-Americana (que já começou o ano mais cobiçada) e da Copa do Brasil; e
ainda, com os eliminados desses torneios engrenando novas marchas no campeonato
de pontos corridos, em busca da dignidade. Quando chegar dezembro, quatro
campeões serão conhecidos, quatro times serão rebaixados, e tudo isso contará
uma história única, em vez de contos independentes.
Nessa
nova etapa do futebol brasileiro, a noção de planejamento de temporada ganhará
maior peso, principalmente para os clubes que resistirem mais tempo em
diferentes frentes. Clubes que mantiveram técnicos e reforçaram elencos em
número e qualidade saem na frente: Flamengo, Atlético-MG, Palmeiras (que, de
uma forma ou de outra, “manteve” Cuca) e Cruzeiro entram em campo
como favoritos ao Brasileiro, com Santos e Grêmio num segundo escalão, pelo que
jogaram até agora.
Depois
vem o pelotão dos franco-atiradores, que devem oscilar na temporada: o
Botafogo, de elenco mais curto, condicionará seu Brasileiro aos rumos da
Libertadores, como fez no Estadual: quanto mais longe for, mais operará um
gerenciamento de tabela. Situação parecida com a do Atlético-PR, que terá a seu
favor o último ano da grama sintética na Arena da Baixada, que muitos
visitantes consideram hostil.
No
mesmo pelotão, há o Fluminense de Abel Braga, repleto de jovens velozes, surge
como um franco-atirador temível: voluntarioso, mas com algum preço a pagar pela
inexperiência. Por fim, o Sport de Ney Franco, que se reforçou e terá menos
quilômetros a viajar na Série A, graças às presenças de Bahia e Vitória. Ainda
assim, os recifenses ainda se encontram em outras três competições, o que
convida à exaustão e à falta de foco.
Por
outro lado, elencos curtos podem se beneficiar da dedicação exclusiva ao
Nacional. Campeão paulista, o Corinthians de Fábio Carille tem 11 titulares
encaixados – e, com eles, uma defesa perto do inexpugnável – à procura de bons
reservas: tendo apenas o Brasileiro pela frente, pode brigar no alto da tabela.
Também exclusivos são o desequilibrado São Paulo de Rogério Ceni e o
preocupante Vasco de Milton Mendes: com tempo para treinar, poderão se livrar
semanalmente de um punhado de incertezas e, talvez, sonhar com dias melhores.
Ainda
assim, o Vasco precisa se enxergar mais próximo dos clubes que terão como meta
alcançar 46 pontos o mais rápido possível coisa que equipes mais humildes, como
a Chapecoense e Ponte Preta, já aprenderam a operar com certa desenvoltura. O
Coritiba, campeão paranaense, também precisa dessa consciência: Avaí, Bahia e
Atlético-GO cobiçarão – e muito – as suas vagas.
Bom
Brasileirão.

COMENTÁRIOS: