Caetano quebra silência, revela choro e cobra “mais” do Flamengo.

16
Rodrigo Caetano, diretor executivo de Futebol do Flamengo – Foto: Gilvan de Souza

GLOBO
ESPORTE
: Em silêncio desde a eliminação na Libertadores, o diretor
executivo do futebol do Flamengo , Rodrigo Caetano, resolveu falar. Após o
treinamento desta sexta-feira no Ninho do Urubu, o dirigente concedeu
entrevista coletiva. Nela, afirmou que a saída precoce do torneio após a
derrota por 2 a 1 para o San Lorenzo machucou.

Ele
aproveitou para sair em defesa dos estrangeiros do time, criticados pelo mau
desempenho, mas alertou que a equipe precisa se impor nos jogos fora de casa. O
time perdeu as três como visitante na Libertadores.

Tinha a esperança de se chegar longe. Cabe a nós lambermos nossas feridas.
Tivemos reunião importante e proveitosa, porque o Flamengo passa a ser avaliado
de acordo com a reação que terá. Temos Brasileiro, Copa do Brasil, e a
obrigação do Flamengo é voltar à Libertadores. No nosso entendimento é que a
presença constante no torneio mais importante da América permitirá que a gente
volte à conquista – disse Rodrigo.
Na
sequência, foi indagado sobre a má fase de alguns gringos. Berrío, Cuellar,
Donatti e Mancuello, por exemplo, não agradaram ainda, e o Flamengo gastou
alto valor pelo quarteto.

Flamengo não contrata de forma pessoal. Há todo um processo. Reproduzindo a
eles, cada caso de um deles. Cuéllar é um volante que na chegada do Muricy foi
identificado como bom valor, foi vice-mundial sub-20 pela Colômbia. Existe
disputa interna. Mancuello era disputado por muitas equipes, capitão, jogou na
Seleção. Donatti foi eleito melhor zagueiro da última Libertadores – disse
Caetano, que prosseguiu.

Berrío participou da última Libertadores em que foi campeão. Falo de alguns
predicados que trouxeram o interesse a eles. O grupo espera o retorno deles,
como eles já deram, mas sei que darão. Podíamos citar outros que vieram sem
custo, mas entendemos que nesse momento fale-se disso.
Outros
trechos da entrevistas:
A eliminação
Foi
um golpe duro demais, porque nosso planejamento vem desde o ano passado. A
Libertadores começou no ano passado, quando fomos terceiro colocados (no
Brasileiro). Nós nos planejamos, sabíamos que estávamos num grupo dificílimo,
mas chegamos com chances e que dependíamos só de nós.
Pressão no futebol
Difícil
administrar isso. Dez dias atrás o elenco tinha bons valores, o trabalho estava
no caminho, conquistamos um título invicto, que era um desejo do torcedor no
Rio. No meio das decisões, tivemos jogos importantes. Essa grande derrota que
tivemos no ano é pra fazermos julgamento internos. Pagamos preço enorme por não
termos pontuado nos três jogos que fizemos fora do Brasil.
O
Flamengo precisa entender que precisa não só jogar bem fora de casa, mas também
se impor. Precisamos que essa cicatriz nos lembre sempre que todo jogo é
decisivo. Temos obrigação gigantesca de botar o Flamengo na Libertadores. Para
que nós e torcida sigamos com essa obsessão pela Libertadores.
Trabalho psicológico
Nossa
avaliação vai ser sempre interna. Respeitamos demais as críticas, mas fazemos
internamente. Flamengo passa a ser observado de acordo com a reação que terá de
aqui em diante. Golpe foi muito duro porque a expectativa era alta, e ela tem
que ser alta.
Caça às bruxas?
Cabe a
nós não transformarmos em… Caça às bruxas foi usado. Temos que identificar o
que precisa ser melhorado. Nós não vamos recomeçar sempre, talvez esse seja o
maior erro num momento desses. Precisamos fazer reposição, ajustes porque
perdemos três jogos no ano, três jogos que culminaram na nossa eliminação.
Vamos encontrar a explicação, e ela será interna.
Faltou vontade na Argentina?
Jamais
vocês vão ver críticas sobre isso. Não posso de um elenco que trabalhamos o dia
inteiro, que se compromete e são profissionais na acepção da palavra, imaginar
que não vão tratar com seriedade um jogo desses. De todas as seis partidas na
Libertadores, posso dizer que o Fla fez um segundo aquém das suas expectativas.
Isso é fato. Mas isso (falta de vontade) jamais.
Eram
jogadores chorando, todos nós juntos tentando recuperar os cacos. Que fique
clara essa dor. Isso é colocar em xeque o nível de profissionalismo que aqui se
tem. O Flamengo na final do Carioca perdia até os 39 minutos do jogo. É natural
fazer análise específica, mas nós aqui temos que ter serenidade. Desse grupo
jamais vai faltar vergonha, responsabilidade ou entrega. A ideia é reagir e
rápido
Elenco tem carências?
Chegamos
num jogo decisivo que não deveria ter sido nesse contexto. Se tivéssemos feito
um ponto sequer fora de casa, talvez esse jogo não significasse o que
significou. O Flamengo chegou com atletas desgastados. Diego sofreu pancada,
Mancuello e Donatti estavam voltando, Mancuello num estágio mais avançado.
Pra
frente mostra que “por que não um elenco mais numeroso?”. Quando se
usa atleta da base perguntam porque não usaram os que já tínhamos aqui, mas
também se pede o uso de jogadores da base. Se o Flamengo tiver oportunidade de
agregar mais peças, mas o Flamengo o fará.
Reforçar a zaga é prioridade?
Compreendo
você. Vou pedir a compreensão. Aqui é muito difícil manter certo sigilo sobre
sondagem ou negociação. É muito difícil atuar no mercado quando nomes acabam
vazando. Modifica preço, aumenta a concorrência. Quando se especula por setores,
também há o prejuízo interno. Na verdade tenho que falar dos que aqui estão.
Reforços?
Devido
ao fato de a jornada ser dura, não é o fato de essa eliminação ser dolorosa
para todos nós que fará mudar nosso tipo de filosofia. Podemos agregar um ou dois
nomes para caminhada de voltar à Libertadores de 2018. Como não estamos em
estágio avançado, não caberia eu ficar falando sobre isso.
Brasileiro é obrigação?
Muito
difícil falar que se tornou uma obrigação conquistar um campeonato, que, além
de longo, é muito difícil. Temos de voltar à Libertadores, até porque estando
no torneio todos anos você se aproxima mais de um título. Para você atingir a
vaga, tem que brigar em cima. Vamos tentar de todas as formas o título do
Brasileiro ou da Copa do Brasil. Fla quer conquistar mais títulos do que
somente o Carioca. Se for o Brasileiro, muito bom, porque vamos encarar todos
os jogos como finais.
Como reconquistar a torcida?
Sentimento
do torcedor é o nosso. Essa frustração, essa indignação. Uso a palavra frustração
porque você só se frustra com o que entende que é possível. Tenho absoluta
certeza de que a torcida quer poder de reação no time. Se a equipe mostrá-lo
justamente para que busquemos novamente as primeiras colocações. O torcedor
virá, nunca deixou de estar ao nosso lado. Não houve qualquer tipo de
manifestação que a equipe não honrou a camisa. O torcedor que se sentir
representado por essa equipe.
E Conca, estreia quando?
Tanto
a inscrição no estadual e na Libertadores foi no sentido de inscrevermos todos
os atletas que estavam no elenco. Expectativa de utilização existe, isso vem
sendo tratado pelo departamento médico, que vai disparar para o Zé o momento em
que estiver perto do ideal. Foi contratado pela qualidade, histórico e também
por uma oportunidade de recuperação.
Por que o planejamento não resistiu à
lesão do Diego?
Alguém
à altura do Diego… Vamos analisar esse fato… Tínhamos o Mancuello, talvez
atrasou um pouco o o retorno do Ederson, isso é fato. Fla foi campeão carioca
invicto sem o Diego. Fla perdeu da Católica com o Diego. Nós não fazemos
avaliações desse tamanho. Temos que avaliar o todo. Perdemos e vencemos com
ele. Não podemos creditar essa eliminação à ausência do Diego. Claro que
aumentaria nossa chance de classificação com ele em campo, por tudo que ele
representa.
É só mais uma derrota?
Eu não
disse que foi mais uma derrota. Tá todo mundo machucado, como o torcedor
também. Isso está claro para todos nós, desde o presidente ao nosso mais
humilde funcionário. Nossa dor é gigantesca. Temos que tirar disso tudo. Já
ganhamos uma competição, saímos da maior de todas. Se podemos minimizar toda
essa dor, é fazer um grande ano.
Renovação do Réver
Estamos
muito otimistas. Temos conversa adiantada com o Internacional, detentor dos
seus direitos. É identificado com a torcida. É o último brasileiro a levantar a
Libertadores. Virou obsessão, que espero que tenha sido adiada. Vamos tentar
sacramentar nos próximos dias, mas depende de todas as partes. O jogador quer
ficar, e o atleta também.

COMENTÁRIOS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here