Fred Luz prega crescente ao Flamengo e objetivos audaciosos.

21
Alexandre Wrobel, Rodrigo Caetano e Fred Luz – Foto: Gilvan de Souza

EXTRA
GLOBO
: Há três anos o Flamengo não conquistava um título. Apesar de no discurso
torcedores e até dirigentes rubro-negros desvalorizarem o Campeonato Estadual,
pendurar uma faixa no peito novamente era o maior desejo de todos os envolvidos
com o futebol do clube. O motivo é simples: coroar uma guinada no trabalho
desde 2014, data da última conquista, e um processo de trabalho imune a
resultados imediatistas.

No
percurso, houve uma série de erros, mas muitos acertos. A reportagem lista as
13 razões pelas quais o Flamengo mereceu ser campeão. ‘Merecimento’ foi a que
resumiu todas, na avaliação do técnico Zé Ricardo. O diretor-geral Fred Luz
explicou um pouco do que deu certo recentemente.
– O
nosso objetivo, e isso sempre foi falado pelo presidente, é estar em condições
de ganhar todos os títulos que disputa. Montamos um elenco e uma sistemática de
administração para isso, qualificamos e buscamos essa solidez. A gente fala
internamente em uma escada, em que sobe degrau por degrau, mas não desce –
ilustrou o executivo.
Depois
que Márcio Araújo fez o gol do título carioca, em 2014, o Flamengo iniciou uma
reformulação já projetada pela eliminação dias antes na Libertadores. A
competição continental se tornou obsessão. Sem recursos e priorizando a
reorganização financeira, o clube trouxe o diretor executivo Rodrigo Caetano,
que estava no Vasco. A manutenção do trabalho no departamento de futebol,
apesar de crises e pressão por trocas, deu o mínimo de estabilidade ao projeto.
Nesse cenário, a garantia de salários em dia começou a mudar a imagem do clube
para os atletas. Ainda que tenha havido uma série de contratações questionáveis
àquela altura.
Especialmente
de técnicos. A continuidade de Zé Ricardo, que se aproxima de um ano de
trabalho no Flamengo, foi raridade. Depois de demitir o técnico campeão da Copa
do Brasil e do Estadual, Jayme de Almeida, o clube trouxe Ney Franco, que durou
pouco. O projeto passou ás mãos de Vanderlei Luxemburgo, que durou um bom
tempo, mas vivia questionando a diretoria e tentava concentrava poder. Aí está
uma nova correção de rota. Com Cristóvão Borges e Oswaldo de Oliveira, o
Flamengo viu que precisava mais do que um técnico, precisava de uma comissão e
de estrutura.
– O
processo do futebol como um todo tem evoluido constantemente. O CT está pronto,
a estrutura, sistema de informação, área de inteligência, trabalho multidisciplinar
no futebol, todo mundo conversa, não tem bateção de cabeça, fora a melhoria do
elenco – enumerou Fred Luz, que saiu do marketing para tornar-se CEO.
Ao fim
de 2015, com a queda de produção no Brasileiro, Muricy Ramalho virou a solução
para o time voltar a disputar grandes títulos. Com ele, veio um conceito de
maior integração e valorização da base, que se tornou importante este ano, em
que a rotatividade do elenco em competições importante se fez necessária.
Antes
disso, porém, era preciso dar uma cara ao elenco do Flamengo. Em 2015, um grupo
formado por Everton, Paulinho, Cirino, Pará e Alan Patrick acabou afastado por
indisciplina. Destes, Pará e Everton permanecem no clube, mas inseridos em uma
nova filosofia. Com a contratação de atletas com perfil comprometido,
disciplinado, até religioso, o grupo ficou uniforme e quem não se encaixava
saiu, como Paulinho e Cirino.
Sem
novos focos de farra, e com treinos apenas no Centro de Treinamento, a rotina
de trabalho ficou controlada e individualizada também. As contratações se
avolumaram com o aumento da receita do clube, e mesmo que nem todas tenham dado
certo, aumentaram a concorrência e o desempenho coletivo. Com o afastamento de
Muricy Ramalho, com problemas no coração, o interino Zé Ricardo ganhou a chance
da vida, e provou que a aposta na base também serve para técnicos.
– Zé
Ricardo pegou bem esse espírito, as outras áreas também. É um processo
gerencial que acompanha os objetivos de cada área. E vamos atrás de objetivos
mais audaciosos. Se não for atingido vamos fazer melhor da próxima vez –
explica o diretor-geral.
Com
melhor estrutura e tecnologia de ponta, Paolo Guerrero, a principal aposta até
então, cresceu de produção, e passou a dividir os holofotes com Diego, outra
aquisição que elevou o nível do Flamengo. O meia, fora da final, assumiu a vaga
de ídolo cativa desde a saída de jogadores de renome como Ronaldinho, Adriano e
Vagner Love. E mais: veio adequado ao padrão de comportamento criado no clube.
Diante
de todos os movimentos em busca de um alto padrão de excelência, o Flamengo
obteve desempenho importante no Brasileiro do ano passado, quando disputou o
título. No entanto, com muitas viagens e ainda sem um estádio, problema que se
arrasta até agora, ficou pelo caminho. E o cheirinho de hepta também. Agora, no
desprestigiado Estadual, é a primeira chance de provar que o rumo está correto.
É o sinal de que voos mais altos podem ser alcançados adiante.
– Ano
passado a gente era o setimo maior investimento, mas acabamos o ano entre os
tres primeiros, com chance de ser campeão. Esse ano a gente está melhor ainda,
então a expectativa é de melhores resultados esportivos. A pressão pelo
resultado vai existir porque estamos mais qualificados – finalizou o CEO Fred
Luz.
VEJA AS 13 RAZOES PELAS QUAIS O FLAMENGO
MERECEU O TITULO:
1-
Manutenção do trabalho no departamento de futebol, com Rodrigo Caetano.
2 –
Bancar o talento de Zé Ricardo mesmo sem experiência.
3 –
Tirar definitivamente os treinos da Gávea.
4 –
Apagar focos de indisciplina no elenco.
5 –
Apostar em jogadores com perfil comportado e de liderança.
6 – Salários
em dia e recuperação financeira.
7 –
Método de trabalho baseado em rotinas seguidas com disciplina e avaliado
permanentemente.
8 –
Esforço para manter os jogos no Rio em 2017 e acabar com as viagens.
9 –
Investimento no CT e na estrutura de trabalho e tecnologia.
10 –
Valorização maior da base.
11 –
Rotatividade e manutenção do elenco.
12 –
Contratação de Diego e aposta em novos ídolos.
13 –
Diminuição da interferência de dirigentes amadores no dia a dia do futebol.

COMENTÁRIOS: