Hoje na Série B, meia relembra único gol marcado pelo Flamengo.

22
Foto: Ide Gomes / Agência Estado

ESPN: Imagine
o sentimento de fazer um gol com a camisa do clube que você e sua família
torcem desde sempre. O meia Rodolfo sentiu isso uma única vez em sua passagem
pelo Flamengo, mas foi o bastante para não se esquecer até hoje.

No
confronto contra o Bangu no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, pela
Taça Rio de 2013, o segundo turno do Campeonato Carioca, ele balançou as redes
com um chutaço de pé esquerdo no ângulo do goleiro Getúlio Vargas.
“Eu
tinha entrado no segundo tempo. Fui muito bem, fiz o gol mais bonito da minha
carreira e quase marquei o segundo”, relembrou o meia, atualmente no
CRB-AL, ao ESPN.com.br.
O
Flamengo, que perdia por 1 a 0, conseguiu virar para 2 a 1 no final do duelo.
Além da vitória, Rodolfo fez a alegria de seu pai, Aloísio, um flamenguista
fanático.
“No
dia seguinte, lembro que dei uma entrevista e falei: ‘O barraco já não é muito
bom, mas depois que fiz o gol meu pai deve ter quebrado tudo lá em casa
(risos). Todo mundo ficou brincando comigo”.
Além
disso, Rodolfo tirou um peso das costas, pois diante do Botafogo, algumas
semanas antes, seu pai tinha ficado bem menos feliz.
“Antes
desse jogo, o [técnico] Dorival Jr. falou para mim: ‘Você vai entrar e vai
marcar um gol’. Fiquei super confiante e respondi: ‘Vou fazer mesmo,
professor’. Daí ele me colocou no intervalo”.
A
profecia tinha tudo para se concretizar no Engenhão, se não fosse por um
detalhe…
“No
segundo tempo, eu recebi um passe lindo, driblei o [goleiro] Jefferson e fiquei
com o gol aberto. Só que eu chutei por cima (risos). Na hora eu me lembrei do
Dorival, que devia estar puto chutando a água à beira do campo (risos)”,
prosseguiu.
“Depois
disso, ficaram me zoando muito (risos). Foi meio inacreditável, nem sei como te
explicar até hoje. Mesmo assim, foi um dos meus melhores jogos porque ajudei
muito os companheiros e vencemos por 1 a 0”, garantiu.
O
jovem ainda participaria de três partidas na campanha da Copa do Brasil de 2013
que terminou com o título do Flamengo sobre o Atlético-PR. Mesmo assim, ainda
participou da Taça BH de juniores no final do ano.
Saída do Flamengo
Rodolfo
de Almeida Guimarães passou pelo futsal antes de chegar às categorias de base
do Madureira, já no campo. Ele se profissionalizou na equipe carioca e foi
comprado depois pelo Internacional. Após um ano e meio em Porto Alegre, o meia
acabou emprestado para o Flamengo.
“O
treinador da base Cleber dos Santos, auxiliar hoje do Zé Ricardo, que me ajudou
demais. Joguei todas as competições dos juniores e fui promovido pelo Dorival
Jr. ao time de cima”, recordou.
A
estreia do jogador foi contra o Quissamã, pelo Campeonato Carioca. “Foi
especial demais. Meu primeiro jogo foi no Engenhão e cruzei a bola para um gol.
Meu começo foi muito bom. Jogar no Flamengo foi especial”, disse.
Após
ficar o ano todo entre os profissionais, ele perdeu espaço na Gávea e pediu
para sair. 

“Em 2014 não foi tão bom. Não tinha confiança pra jogar. Eu
fiquei chateado, mas não tinha oportunidade. Precisava sair para jogar mais
vezes e mostrar meu valor. Veio o Bahia, mas não deu certo e fui para Ponte
Preta”.

Após
defender a equipe de Campinas, em 2014, ele teve uma passagem pelo Coritiba,
mas não foi feliz no time alviverde.
“No
Coritiba não foi legal, não jogava por lá. Foi o momento mais difícil da minha
careira. Tentei sair algumas vezes e não consegui. Treinava, mas não entrava em
campo”, lamentou.
Rômulo
finalmente saiu do clube alviverde no começo do ano passado e acertou com o
Grêmio Osasco Audax-SP, que foi vice-campeão do Paulista.
“O
[técnico] Fernando Diniz me ajudou muito. Eu era um pouco ansioso para jogar
bola e ele me ajudou a tirar isso. Melhorei muito com isso. Fora de campo ele é
um dos melhores caras que já trabalhei. Sempre quer tirar o máximo dos atletas.
Por mais que tenha aquele jeito explosivo à beira do campo e cobra bastante,
ele dá muito apoio”, afirmou.
No
segundo semestre, ele foi junto com o treinador e mais alguns atletas para o
Oeste, que disputou a Série B do Brasileiro.
No
começo deste ano, ele rescindiu seu contrato com o Flamengo para jogar o
Estadual pelo Mirassol. 

“Começamos muito bem o Paulistão, mas depois
caímos durante a competição. Foi uma pena porque tivemos grandes chances de nos
classificar”, recordou.

O time
do interior terminou na terceira posição do Grupo D, atrás de Ponte Preta e
Santos. ao final da competição, Rômulo assinou com o CRB-AL para disputa da
Série B do Brasileiro.
“Quero
fazer uma grande competição e conseguir o acesso. Com isso, ficaremos todos em
evidencia. A torcida é apaixonada demais, joga junto com o time. Vamos fazer um
grande campeonato”, finalizou.

COMENTÁRIOS: