Júlio César, ex-Flamengo, se torna o 2º jogador com mais títulos.

73
Foto: Getty Images

FOX
SPORTS
: O tricampeonato português garantido junto ao Benfica no último final de
semana, após a goleada por 5 a 0 sobre o Vitória de Guimarães no Estádio da
Luz, colocou o goleiro Júlio César, ex-Flamengo, Inter de Miilão e Seleção
Brasileira, em um novo ‘pódio’. Com a conquista, o brasileiro faturou o seu
trigésimo segundo título na carreira, e assim entrou no Top 4 de jogadores com
mais conquistas em toda a carreira.

O
terceiro título da Primeira Liga foi o quinto desde que o goleiro de 36 anos
desembarcou em Portugal. Revelado pelo Flamengo, ele também extensa carreira
pelo futebol italiano onde teve longa passagem com a camisa da Inter de Milão,
e por lá ficou entre 2005 e 2012. Com o trigésimo segundo ‘caneco’ levantado,
Júlio César ultrapassou o companheiro de posição Vítor Baía, ex-Seleção
Portuguesa, que tem 30, e igualou-se a Andrés Iniesta, do Barcelona.
O
goleiro, entretanto não é o brasileiro com a melhor posição na lista. Na
segunda posição aparece Daniel Alves, lateral-direito da Juventus. Com 34
títulos, ele está prestes a ultrapassar o primeiro colocado Ryan Giggs,
ex-Manchester United, que tem 35 conquistas. A tomada da liderança pode
acontecer ainda em 2017, já que o camisa 23 de Velha Senhora ainda pode
levantar a Serie A TIM, a Champions League e ainda a Coppa Italia na atual
temporada, chegando assim a 37 canecos.
Confira a lista de títulos de Júlio César:
Flamengo (10): Copa
Mercosul (1999); Copa dos Campeões (2001); Campeonato Carioca (1999, 2000,2001
e 2004); Taça Guanabara (1999, 2000 e 2004); Taça Rio (2000);
Inter de Milão (14):
Serie A TIM (2005/06, 2006/07, 2007/08, 2008/09 e 2009/10); Coppa Italia
(2005/06, 2009/10 e 2010/11); Supercopa da Itália (2005, 2006, 2008 e 2010);
Champions League (2009/10); Mundial de Clubes (2010);
Benfica (5):
Campeonato Português (2014/15, 2015/16 e 2016/17); Taça da Liga (2014/15); Supertaça
de Portugal (2016);
Seleção Brasileira (3): Copa
América (2004) e Copa das Confederações (2009 e 2013).

COMENTÁRIOS: