Rejeitado no Flamengo, Marllon se destaca na Ponte Preta.

56
Getty Images

FOX
SPORTS
: Boas campanhas na Série A e atual vice-campeã do Campeonato Paulista, a
Ponte Preta sofre a cada ano com o desmanche do elenco. Neste ano, as
referências ofensivas deixaram a equipe. William Pottker acertou com o
Internacional, enquanto Clayson foi negociado com o Corinthians. Mas, apesar de
toda cobiça dos adversários, uma base está sendo mantida em Campinas,
principalmente na defesa, quem tem um ex-Flamengo como destaque.

Em
entrevista exclusiva ao FOXSports.com.br, o gerente de futebol da Macaca,
Gustavo Bueno, rasgou elogios ao trabalho feito na recuperação de atletas que
não vingaram em clube grande. Como é o caso de Marllon, destaque e campeão da
Copa São Paulo de Juniores de 2011, mas que acabou dispensado após poucas
chances no profissional. O cartola vê o defensor com um futuro promissor no
futebol brasileiro:
“É
um atleta que a gente vinha monitorando. Foi o melhor zagueiro da Série B. Ele
já nos interessava desde os tempos de Flamengo. Alguns atletas atingem a
maturidade antes de outros. Depende de cada um. Fizemos com o Marllon o mesmo
trabalho com o Pablo, hoje no Corinthians, mas que não foi aproveitado no
Grêmio. Marllon tem tudo para ser um dos grandes zagueiros do futebol
brasileiro”, afirmou o dirigente, que vê uma falta de paciência dos clubes
grandes com atletas oriundos das categorias de base:
“Falta.
Talvez em um clube com uma estrutura maior, como o Flamengo, não se tem tanta
paciência. A Ponte Preta tem que recuperar o jogador, insistir. Não tenho
receita para trocar. É um fluxo de despesa alto. Quando a gente traz alguém,
precisa dar chance. No clube grande, o prazo é menor, assim como a
paciência”.
Aos 25
anos, Marllon foi criado nas categorias de base do Flamengo e sempre foi visto
como um zagueiro de muito potencial. Da mesma geração de Adryan, Negueba e
Rafinha, ele acabou subindo ao profissional quando o clube não vivia um bom
momento. Foram 16 jogos, algumas vaias e a saída da Gávea. Rodou por Boavista,
Rio Claro, Capivariano e Atlético-GO. No rubro-negro de Goiânia, foi destaque
na Série B do ano passado. Emprestado à Ponte Preta, ele não deve seguir os
caminhos de Pottker e Clayson. Ficará em Campinas até o fim da temporada:
“Ele
pertence ao Cianorte. Mas já foi conversado com o agente dele sobre isso. É de
interesse deles também que o Marllon não deixe a Ponte Preta. Se continuar bem,
terá uma projeção maior ainda. Tem sido uma peça muito importante para
nós”, finalizou.
Depois
de entrar com um 4 a 0 sobre o Sport, na semana passada, a Ponte Preta volta
campo neste domingo (21 de maio). O adversário será o Botafogo, no Rio de
Janeiro.

COMENTÁRIOS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here