Sete jogos que provam que Fla-Flu é o clássico mais charmoso.

17
Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

UOL: São
105 anos de história. O Fla-Flu é conhecido como o clássico mais charmoso do
futebol brasileiro e não faltam motivos para isso. No próximo domingo (7), os
eternos rivais se encontram mais uma vez diante de um Maracanã lotado para a
decisão do Campeonato Carioca.

Se o
Rubro-negro leva vantagem no número de vitórias (148 contra 129 – 132 empates),
o Tricolor celebra o fato de se dar melhor em finais. O clube das Laranjeiras
venceu oito das 11 vezes em que eles se encontraram valendo o título Estadual.
Os
rivais contestam tamanha superioridade. Para os torcedores do Fla, as
conquistas de 1916, 1969 e 1983 não podem ser computadas, já que os duelos não
foram as finais da competição. Assim, a desvantagem seria de “apenas”
5 a 3.
No
embalo da decisão, o UOL Esporte esquenta o clássico recordando sete confrontos
marcantes entre Flamengo e Fluminense. Tem de tudo um pouco na história.
23/11/1941 – Flamengo 2 x 2 Fluminense – O
“Fla-Flu da Lagoa”
A
decisão do Carioca de 1941 marcou um dos mais emblemáticos episódios envolvendo
os dois rivais. Só a vitória interessava ao Flamengo, que saiu perdendo por 2 a
0. Os rubro-negros buscaram o empate, mas não contavam com uma artimanha
tricolor. Sob intensa pressão e com o goleiro Batatais lesionado, os jogadores
do Flu começaram a chutar as bolas na Lagoa Rodrigo de Freitas, ao lado do
estádio da Gávea. Para que a partida fosse reiniciada o mais rapidamente
possível, os remadores do Flamengo fizeram o papel de gandulas. O esforço foi
em vão e o Tricolor levantou o troféu.
15/12/1963 – Flamengo 0 x 0 Fluminense –
Maraca lotado
O
Fla-Flu é o jogo que registrou o maior público ente clubes de toda a história.
Na finalíssima do Carioca de 1963, 194.603 torcedores presenciaram o 0 a 0 que
deu o título aos rubro-negros. O empate servia ao Flamengo, que soube suportar
a pressão e levar a taça para a Gávea. O clube quebrou um jejum de oito anos
sem conquistas estaduais.
11/12/1983 – Fluminense 1 x 0 Flamengo – O
nascimento do carrasco
O
triangular que definiu o campeão do Carioca de 83 reuniu Flamengo, Fluminense e
Bangu. Após um empate com o Alvirrubro, o Flu precisava desesperadamente de uma
vitória sobre o rival. A torcida rubro-negra já cantava a vitória até que
Assis, aos 45min da etapa final, fez o gol que daria o título ao Tricolor. O
Flamengo bateu o Bangu e deu o título de bandeja para o rival. Era o início da
saga do tri-carioca.
16/02/1986 – Flamengo 4 x 1 Fluminense –
Dia de Zico e Sócrates
O destino
reservou uma boa surpresa para Zico. Depois de sofrer grave lesão no joelho em
1985, a volta do Galinho foi justamente em um Fla-Flu. Logo ao entrar em campo,
os tricolores “saudaram” Zico com gritos de “bichado”. A
resposta do camisa 10 não poderia ser mais amarga para a torcida do Flu. Ao
lado de Sócrates, ele foi o maestro na goleada rubro-negra por 4 a 1. Autor de
três gols, Zico foi ovacionado pelos rubro-negros, que cantaram em coro no
Maracanã: “Recordar é viver, o Zico acabou com você!”.
02/12/1989 – Flamengo 5 x 0 Fluminense – O
adeus do 10
Juiz
de Fora foi o palco que marcou o último jogo do Galinho de Quintino. O rival? O
Fluminense. Convivendo com graves problemas físicos, o ídolo penduraria as
chuteiras no final da temporada de 1989, mas não sem castigar o adversário mais
uma vez. De falta, Zico marcou seu último gol com a camisa do Flamengo e se
consolidou ainda mais no topo da lista dos maiores artilheiros do clássico: 19
gols em 44 duelos.
25/06/1995 – Fluminense 3 x 2 Flamengo – A
barriga de Renato
Um
octogonal decidiu o Carioca de 1995 e coube a Flamengo e Fluminense se
enfrentarem na partida que definiria o campeão. No ano de seu centenário, o
Flamengo contava com a presença de Romário no elenco, mas o astro daquela noite
seria mesmo Renato Gaúcho. O Flu abriu 2 a 0, mas cedeu o empate ao Flamengo,
que dependia de uma igualdade para ganhar o título. Aos 42 da etapa final,
Ailton fez boa jogada pela direita, cruzou para Renato, que colocou a barriga
na bola para definir o jogo. Na súmula, o árbitro Leo Feldman creditou o gol ao
meia, mas quem entrou para a história foi mesmo o camisa 7.

3 de
março de 2001 – Fluminense 1 x 1 Flamengo – Pênalti espírita

Após
um empate no tempo normal, Flamengo e Fluminense decidiram a Taça Guanabara de
2001 nos pênaltis. Reinaldo, Juan e Roma já haviam convertido suas cobranças, e
Magno Alves tinha sido parado por Júlio César. Manter a vantagem no marcador
cabia ao lateral-esquerdo Cássio, cria das divisões de base do Fla. Ele correu,
bateu com a perna esquerda e foi parado pelo goleiro Murilo. O camisa 1 não
contava com o efeito que a bola tomaria. Depois da defesa, a bola subiu e
morreu lá dentro. O volante Beto marcou a última penalidade, garantiu a taça e
a vaga na decisão do Estadual, quando o Rubro-negro se sagrou tricampeão.

COMENTÁRIOS: