Uma noite para acabar com a ressaca do Flamengo

10
Jogadores do Flamengo treinando na (Arena) Ilha do Urubu – Foto: Gilvan de Souza

MÁRIO
MAGALHÃES
: Quando o porre é grande, a ressaca não fica por menos. Pior que
porre de bebida vagabunda é porre de frustração no futebol. Idem a ressaca. Se
o porre for mais uma queda vexatória na Libertadores, o estrago será (foi)
ainda maior.

Hoje a
eliminação do Flamengo na Libertadores completa 29 dias. Faz quase um mês que o
time parece tonto como pinguço perdido depois da bebedeira. E nada de a ressaca
passar.
A
partir das nove da noite, o rubro-negro inaugura, contra a Ponte Preta, a Ilha
do Urubu. É a nova casa. Está na hora de superar a ressaca.
A
equipe campineira acumula três pontos mais do que a carioca no Campeonato
Brasileiro. Mas o anfitrião tem potencialmente mais time, apesar de enganos
como uma série de contratações frustradas para a zaga. Basta comparar os
orçamentos. Sim, futebol não é confronto de dinheiro. Seria constrangedora,
contudo, mais uma derrota para elenco muito mais barato.
É
preciso evitar erros como tantos na desgraça diante do San Lorenzo.
Tomara
que logo mais o Vinicius Junior seja mantido como titular. De preferência
fincado em um dos lados do campo, sem a ida e volta para a esquerda e a direita
que dificulta a adaptação do garoto de 16 anos.
E que
não se reedite a dupla Márcio Araújo-Willian Arão _ao menos um tem de sair. Não
basta a bola chegar ao Diego. Tem de chegar redonda, e não quadrada. É
imprescindível forjar alternativas ao melhor do time. Sozinho na armação, o
Diego se torna presa mais fácil dos marcadores. É necessário reforçar a
criatividade no meio-campo, e não reprimi-la.
Mais
do que tudo, os jogadores têm de entender que a Libertadores já é história.
Triste, mas é. Cabe sobretudo ao Zé Ricardo convencê-los disso.
Apoio
da torcida não faltará. O desafio do time é estar à altura da paixão e da
fidelidade dos torcedores.
E se
não der? Será sinal de que a ressaca do porre na noite portenha não passou.
Recomenda-se, nessa hipótese funesta, encher a cara de novo. Até vomitar.
Isto
é, colocar tudo para fora. No caso do Flamengo, os principais responsáveis pela
campanha bisonha no Brasileiro.
Desconfio,
porém, que os goles serão para comemorar a vitória rubro-negra.

COMENTÁRIOS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here