Análise: Flamengo sofre para furar retranca e Zé pede concentração

22
(Foto: TELMO FERREIRA/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

GLOBO
ESPORTE
: O Flamengo empatou em 1 a 1 com o Cruzeiro neste domingo e não
aproveitou a chance que teve de diminuir a diferença de 12 pontos para o líder
Corinthians. Apesar do empate, os números mostram que o Rubro-Negro teve mais
posse de bola do que o adversário no Mineirão, na partida válida pela 14ª
rodada do Campeonato Brasileiro. Em contrapartida, não conseguiu converter o
“domínio” em chances claras.

O
Flamengo tem tido dificuldades para furar defesas consistentes, como se
mostraram as de Cruzeiro e Grêmio (adversário que venceu por 1 a 0 na Ilha do
Urubu, na última quinta-feira). Neste domingo, por exemplo, o Rubro-Negro,
apesar de ter tido 63,4% de posse de bola, chutou só cinco vezes a gol, a
metade dos mineiros.
O
Cruzeiro, mesmo jogando em casa, entrou em campo para se defender e apostar nos
contra-ataques. Provavelmente, estratégia do técnico Mano Menezes, confiando na
dificuldade rubro-negra. A equipe de Belo Horizonte montou duas linhas de
quatro bem próximas, e o Flamengo rodava a bola na intermediária, com Diego,
Éverton Ribeiro e Everton, além do auxílio dos volantes.
Em
contra-ataques, sem contar o lance que resultou no gol de Sassá, o Cruzeiro
teve a chance de marcar, mas o goleiro Thiago fez boas defesas. Apesar do
domínio, o Flamengo pouco assustou o goleiro Fábio.
Contra
o Grêmio, na última quinta-feira, o Rubro-Negro também teve amplo domínio
(60,9% de posse de bola) e ainda finalizou bem mais – 23 contra quatro vezes
(sete no gol, 10 para fora e seis bloqueadas). Na Ilha do Urubu, porém, para
fugir da forte marcação tricolor, o time comandado pelo técnico Zé Ricardo
apostou demais em cruzamentos. E o que falhou foi a pontaria: as finalizações foram
fáceis para o goleiro adversário.
Depois
da partida deste domingo, o treinador rubro-negro foi questionado sobre o
caminho para voltar a apresentar as boas atuações, como contra Chapecoense, São
Paulo e Santos (pela Copa do Brasil). Zé Ricardo admitiu a pressão pelo título
do Campeonato Brasileiro e quer recuperar a concentração dos jogadores no
momento de instabilidade para evitar erros.
– Você
entrar numa competição e ser campeão é uma coisa. Entrar numa competição com a
pressão de ser campeão é outra coisa. Estamos trabalhando a parte de
concentração da nossa equipe para não só criar espaços, mas finalizar essas
oportunidades. Tivemos oportunidades contra o Grêmio e hoje também, mas são duas
grandes equipes. Não tem nenhuma fórmula mirabolante. Conheço só o trabalho
duro – falou Zé.
O
ataque do Flamengo é um dos mais produtivos do Campeonato Brasileiro, com 20
gols, atrás apenas de Grêmio, Fluminense e Corinthians. Nos últimos dois jogos,
porém, marcou só uma vez, justamente após cruzamento na área (Everton
aproveitou a assistência de Rodinei contra o Cruzeiro). Reflexo da dificuldade
de furar bloqueios consistentes formados por duas linhas de quatro.

COMENTÁRIOS: