Caetano justifica montagem de times do Flamengo no meio do ano

10
Rodrigo Caetano e Diego Alves, do Flamengo – Foto: Gilvan de Souza

GLOBO
ESPORTE
: O Flamengo investiu quase R$ 60 milhões para reforçar o time em 2017.
Foram nove contratações, mas alguns dos principais nomes chegaram na janela do
meio do ano: Éverton Ribeiro, Geuvânio (empréstimo de 18 meses), Rhodolfo e
Diego Alves. A contratação de estrelas em meio ao Campeonato Brasileiro,
inclusive, tem sido rotina nos útlimos anos.

Por que?

diferença entre as janelas de transferências do início e do meio do ano. No
verão brasileiro (inverno europeu), as competições do calendário estrangeiro
estão na metade e é difícil enfraquecer as equipes da Europa, por exemplo –
outras ligas, como nos Emirados Árabes e China, seguem o mesmo padrão.
No
inverno brasileiro (verão europeu), ou seja, na recente janela, que fechou no
último dia 20, a temporada no Velho Continente e nos outros países que seguem o
mesmo calendário já terminou. Isso facilita a contratação dos jogadores.
O
diretor de futebol do Flamengo, Rodrigo Caetano, também explicou ao
GloboEsporte.com o porquê da janela do meio da temporada brasileira quase
sempre ter permitido boas oportunidades para o clube.
– Não
é nem sendo agressivo (no mercado), mas trabalhando em cima de oportunidades.
Se considerar uma grande aquisição, um grande investimento e agressivo no
mercado foi o Éverton Ribeiro, pela idade, o clube não queria se desfazer,
tivemos que comprar. Os outros tiveram custo de aquisição mínimo. É questão
oportunidade, de nos prepararmos a nível de orçamento para poder absorver os
salários desses jogadores, e não tendo que fazer o dispêndio financeiro na
questão de aquisição, de transferência. Encerra o contrato, encerra vínculo,
temporada… – explicou Rodrigo Caetano.
A
“estratégia” de se reforçar mais no meio do que no início do ano tem
sido comum nos últimos anos. Em 2015 e 2016, o Rubro-Negro contratou nomes
Guerrero (do Corinthians, o que foge da teoria sobre a janela de transferências
europeia) e Diego (do Fenerbahce, da Turquia), respectivamente, ambos sem pagar
pelos direitos econômicos.
Mudanças com temporada em andamento
O
problema é que a chegada de estrelas no decorrer do Campeonato Brasileiro
obriga o Flamengo a “trocar o pneu com o carro em movimento”. Foi
assim em 2016, quando a equipe comandada pelo técnico Zé Ricardo só embalou no
segundo turno. Mesmo assim, ainda brigou pelo título nacional até as últimas
rodadas – terminou em terceiro lugar.
Em
2017, por exemplo, alguns dos reforços não chegaram a disputar a Libertadores,
já que o Rubro-Negro acabou eliminado de forma precoce no torneio. Não é por
acaso que muitos dirigentes brasileiros defendam uma adequação da temporada
brasileira com a do exterior.
– Já
ouvi dizerem que isso muitas vezes é erro ou falta de planejamento, por ser no
meio da temporada, mas não tem problema nenhum. É só ajustar um dia que o início
da temporada do futebol brasileiro seja também o início do europeu – diz
Caetano
Diego Alves é o único que ainda não fez
sua estreia
Das
últimas contratações, só Diego Alves ainda não estreou. O goleiro, que estava
no Valencia, da Espanha, chegou nesta semana e já está regularizado. Na
apresentação do jogador, Rodrigo Caetano falou que a expectativa era que a
estreia ficasse só para o próximo fim de semana, quando o Flamengo encara o
Corinthians, em Itaquera.
Éverton
Ribeiro e Geuvânio têm jogado com frequência. O primeiro virou titular de
imediato e se destacou nas primeiras partidas, enquanto o segundo tem entrado
no decorrer dos jogos – sofreu, inclusive, o pênalti perdido por Diego no
empate em 2 a 2 com o Palmeiras.
Lembra? Em 2009, hexa contou com reforços
importantes para arrancada.
A
fórmula não é nova no clube. Antes mesmo da gestão do presidente Eduardo
Bandeira de Mello era comum ver esse tipo de movimentação no mercado. Na última
vez em que foi campeão brasileiro, em 2009, o time comandando por Andrade teve
contratações importantes no meio da temporada que ajudaram na arracanda
improvável para o título. Álvaro (zagueiro), Maldonado (volante) e Petkovic
(meia) foram nomes que só chegaram depois de junho. O atacante Adriano, por sua
vez, foi apresentado em maio.
Veja
mais trechos da entrevista com Rodrigo Caetano:
Alinhar as temporadas – brasileira e
europeia
Não
sei nem se é possível, mas para que não tenha esse tipo de contestação. Porque
a verdade é essa. Como nós vamos tirar um jogador da Europa, de outro mercado,
em janeiro ou dezembro? Se ele está no meio de uma temporada, de um campeonato
e, na grande maioria das vezes, com vínculo com algum clube. Nos resta fazer
isso. No campeonato espanhol, por exemplo. Se nós quiséssemos trazer o Diego
Alves no início do ano, a probabilidade era próxima de zero. Os movimentos na
Europa viabilizam que tenhamos o retorno desses jogadores para o Brasil.
Fla tentou Éverton Ribeiro no começo do
ano
Esse
foi o motivo, eles (ex-time de Éverton Ribeiro nos Emirados) estavam na
competição intercontinental deles. Esse foi o dilema, não aceitaram nem
conversar. Foi quando o agente preparou a situação para nos ouvirem no meio do
ano.
Sobre mexer com o trabalho em andamento
Depende
da qualidade dos atletas. Melhora para qualquer treinador quando você vê
reforços de bom nível. É claro que você não tem equilibrada a condição física,
técnica, porque eles vêm de um outro futebol, até de outro mercado, calendário.
Jogadores que lá estão no final de temporada e nós, aqui, no meio.
Mas
não tem jeito, é o que o Brasil pode fazer. Que bom que o Flamengo tem
condições de absorver a questão salarial de alguns deles. Não teria condições
de absorver o salário e, ao mesmo tempo, pagar a aquisição. Nosso orçamento é
muito claro nisso. Eu vejo como positivo que a gente consiga ainda trazer
reforços. Dizer agora que trazer reforços desse nível possa ser prejudicial, aí
é querer ver pelo em ovo. Não vamos omitir de tentar ter os melhores aqui. Trouxemos
no início do ano jogadores que estão muito mais adaptados, Berrío, Trauco,
depois desses seis meses. A gente não faz as coisas mirando nos próximos três
meses.
Continuidade para próximas temporadas
Isso é
um processo. A gente, como modelo ideal, é ter a menor troca possível. Esse
negócio de ficar modificando elenco, não sou muito adepto. Hoje o Flamengo
consegue identificar algumas necessidades e oportunidades para trazer jogadores
que possam fazer diferença. Com isso, que se mantenha ou diminua a rotatividade.
Nossa ideia é essa, sempre manter a base do elenco e buscar peças pontuais. É
dessa forma que a gente vem trabalhando.
Lembrando
que a janela europeia, essa do meio do ano, de perdas, na grande maioria das
vezes o Flamengo não é muito atingido. Não temos perdido muito. A gente vende
quando é uma boa oportunidade. Teve momento que foi por necessidade, hoje a
gente avalia bem por isso. Não temos sofrido muito. Não significa que a gente
não tem ou não precise vender. Precisamos sim, mesmo com a venda do Vinicius.
Mas temos uma condição de avaliar melhor hoje o que é melhor ou pior para o
clube. Essa é a nossa estratégia.

COMENTÁRIOS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here