Com perfil de liderança, Diego completa um ano no Flamengo

47
Diego, do Flamengo – Foto: Gilvan de Souza

LANCE:
Há exato um ano, o meia Diego era recepcionado por centenas de rubro-negros no
Aeroporto Santos Dumont, no Rio. O meia chegou ao Flamengo literalmente nos
braços do povo, numa grande festa que se arrastou até a entrevista coletiva de
apresentação na sede da Gávea, na Zona Sul do Rio. Aos 32 anos, o experiente
jogador fez o que dele se esperava: elevou o patamar técnico do time e também
virou ídolo da torcida rubro-negra.

No
empate de 2 a 2 com o Palmeiras, Diego perdeu um pênalti no segundo tempo, mas
ainda assim recebeu o apoio dos torcedores. Ele é o maestro do time do Flamengo
e comanda as ações no meio. O camisa 35 orienta os companheiros, dá
assistências, aparece na frente e também busca o jogo atrás quando é preciso.
No que diz respeito a títulos, o atleta conquistou o Carioca deste ano, mas
ainda busca um troféu de maior expressão.
O meia
também é um dos líderes do elenco rubro-negro e mostra isso em campo. No último
clássico contra o Vasco, ele foi conversar com Nenê, que estava irritado com os
dribles de Everton. Após um rápido bate-papo, Diego acalmou os ânimos no
gramado.
Neste
um ano de Flamengo, Diego voltou à Seleção Brasileira. O meia foi lembrado pelo
técnico Tite por causa das boas atuações com a camisa rubro-negra. A volta à
Amarelinha mexeu com o camisa 35, que chegou a chorar quando foi informado da
convocação no Ninho do Urubu.
Na
disputa da Libertadores, o meia sofreu uma lesão no joelho esquerdo e foi
operado, mas recuperou-se rapidamente, até antes do prazo estabelecido, e
voltou ao time gradativamente, mas com muita disposição.
Diego
tem 44 jogos e 16 gols pelo Flamengo. Neste ano, ele é o vice-artilheiro do
time, com dez gols, atrás apenas do centroavante Paolo Guerrero, que já
balançou as redes em 17 ocasiões.

COMENTÁRIOS: