Em Nota, FERJ diz que interdição de São Januário não é solução

29
Rubens Lopes, Presidente da Ferj, ao lado de Eurico Miranda, Presidente do Vasco – Foto: Úrsula Nery

EXTRA
GLOBO
: A Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj) divulgou um comunicado
na tarde desta segunda-feira após as duas confusões em partidas que aconteceram
na cidade: o clássico Vasco x Flamengo, no sábado, e o jogo entre Botafogo x
Atlético-MG. Na partida entre Cruz-Maltino e Rubro-negro, um torcedor acabou
morto e outros três feridos após confronto entre organizadas e a Polícia Militar.
Dentro do estádio, um cenário de selvageria que pode fazer o clube ser punido
no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

No
caso do duelo entre alvinegros e atleticanos, pelo menos 11 torcedores foram
presos após uma briga no entorno do Engenhão, local onde foi realizada a
partida. Os dois confrontos foram válidos pelo Campeonato Brasileiro, e a Ferj
repudiou ambos os episódios.
“Defendemos
a rigorosa apuração de responsabilidades e exemplar penalidade dos culpados,
mas afirmar que a interdição de um estádio, punição de um clube ou atribuir à
Polícia Militar toda a culpa pelos incidentes sejam soluções para a violência
nos parece primorosa peça de ficção e desconhecimento do conjunto da obra”, diz
um trecho a nota.
Veja o comunicado na íntegra.
“A
Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro, há muitos anos, pugna pela
paz no futebol, repudia veementemente todo e qualquer ato de violência e
lamenta os inaceitáveis episódios ocorridos por ocasião, não só da partida
entre Vasco x Flamengo, mas também do jogo entre Botafogo x Atlético MG.
Preocupa-se
com as ilusórias soluções mágicas, simplistas, superficiais, precipitadas e,
provavelmente, até mesmo injustas que eclodem no imediatismo das declarações,
como se o encontro de um “bode expiatório” tivesse o condão de solucionar a
falta de segurança, disseminada e endêmica em nosso estado. Realidade essa que
não poupa o cidadão, onde quer que ele esteja, faixa etária, locais,
instituições, a qualquer hora do dia ou da noite e que nos faz lamentar a perda
de vidas e o crescente número de vítimas.
Também
nos causa preocupação o dilúvio de equívocos no empirismo de inúmeras das
proposições que se tem apresentado, sendo incontroverso que nenhuma ação
terapêutica levará à cura e à interrupção do processo se não dirigida à
etiologia do problema. Para isso, torna-se imperiosa e urgente a necessidade de
entendimento, de estudos e de discussões despidas das vaidades dos cargos, mas
voltadas para o encontro de medidas e ações criteriosas que tenham eficiência,
eficácia e efetividade, com a participação e envolvimento de todos os segmentos
que podem contribuir para tal. A Federação de Futebol do Estado do Rio de
Janeiro coloca-se inteiramente à disposição das autoridades para debater o
assunto em busca das soluções.
Defendemos
a rigorosa apuração de responsabilidades e exemplar penalidade dos culpados,
mas afirmar que a interdição de um estádio, punição de um clube ou atribuir à
Polícia Militar toda a culpa pelos incidentes sejam soluções para a violência
nos parece primorosa peça de ficção e desconhecimento do conjunto da
obra”.

COMENTÁRIOS: