Ex-candidato pode acabar com mandato de Bandeira no Flamengo

29
Mauricio Rodrigues De Souza Neto, ex-candidato a Presidência do Flamengo – Foto: Divulgação

COLUNA
DO FLAMENGO
: O ex-candidato a presidente em 2012, autor do projeto de estádio
próprio em Guaratiba e Conselheiro do Flamengo, Mauricio Rodrigues, protocolou
no clube, na última quarta-feira, uma representação contra o presidente Eduardo
Bandeira de Mello com base na Lei de Responsabilidade Rubro-Negra.

Eduardo
Bandeira de Mello pode perder o mandato e ainda ficar inelegível por 15 anos
para qualquer cargo dentro do Flamengo mesmo após encerrar o atual mandato.
O
Conselho Diretor do Flamengo abriu um inquérito contra Maurício Rodrigues por
opiniões sobre a atual gestão em seu blog pessoal, ‘O Zarabatana‘, em janeiro
deste ano.
A
Comissão de Inquérito foi nomeada em fevereiro e segundo o estatuto do
Flamengo, ela teria 60 dias para apurar o caso e dar um parecer. O primeiro ato
da Comissão foi a intimação de Maurício Rodrigues em abril deste ano e segundo
a denúncia, já fora do prazo.
Ainda
segundo a denúncia, até hoje a Comissão não apresentou um parecer sobre o caso,
“extrapolada a ilegal “prorrogação” que “dobrou” o prazo estatutário desde o
dia 05 de junho de 2017“, diz um trecho, chegando ao ponto de uma Comissão que
deveria durar 60 dias, já contar com 170 dias, quase 3 vezes o prazo estipulado
pelo estatuto.
Maurício
teve o julgamento inicialmente marcado para o dia 7 de julho, que foi remarcado
para o dia 12 e remarcado novamente para o dia 25.
“O
DENUNCIADO (Eduardo Bandeira de Mello) mais do que conivente, é coautor da
infração estatutária e da perda do prazo, pois vários motivos, quais sejam:
I. Ser ele o responsável pelo
inquérito pois o mesmo “corre” sob o Conselho Diretor, no qual ele é o
Presidente.
II. Ser ele o responsável
pela nomeação da Comissão e pela escolha de seus membros.
III. Ter ele prorrogado, ao
arrepio do Estatuto do Flamengo, o prazo para conclusão dos trabalhos“, diz a
peça da denúncia.
Bandeira
por ser presidente, está enquadrado no Artigo 37  do estatuto que diz: “Os membros eleitos dos
Poderes do FLAMENGO, sem prejuízo das penalidades disciplinares em que
incorrerem, ficam sujeitos à perda de mandato e, mesmo após o seu encerramento,
à inelegibilidade de cinco a quinze anos, conforme a gravidade da conduta, nos
seguintes casos”, parágrafo III: “descumprimento injustificado dos prazos e
disposições estatutárias, em especial as relativas à proposta e execução do
orçamento, responsabilidade na gestão orçamentária, prestação de contas e
apuração de infrações disciplinares;”.

O caso
agora está nas mãos do presidente do Conselho Deliberativo, Rodrigo Dunshee,
que irá ter que nomear uma Comissão de Inquérito para apurar o caso.

COMENTÁRIOS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here