“Flamengo mantém esperança do cheirinho campeão”, diz Menon

37
Jogadores do Flamengo comemorando gol na estreia da camisa amarela – Foto: Gilvan de Souza

BLOG
DO MENON
: Uma dúvida.

Se
Vinícius Jr. não valesse um estádio (45 milhões de euros) e se não jogasse a
bola que joga, capaz de encher estádios em pouco tempo, Márcio teria feito o
que fez? Um pênalti tosco e desnecessário nos acréscimos do segundo tempo. De
um jogo em que seu time, em queda alucinante na tabela, conseguia empatar
contra um candidato ao título?
Talvez,
sim. Afinal, zagueiro é como o escorpião da fábula. Conhecem? O escorpião pediu
para que um sapo o ajudasse a atravessar o rio, carregando-o nas costas. O sapo
se negou, dizendo que o escorpião o picaria e ele morreria. O escorpião
argumenta que, se fizer isso, morrerá também, pois não sabe nada. O sapo
aceita. Durante a viagem, sente a picada. Por que você fez isso? Vamos morrer.
Por que eu fiz? É minha natureza, é o que eu sei fazer.
Márcio
fez o que sabe fazer. Fez o que lhe ensinaram a fazer a vida toda. Falta. Na
área. Cal.
Éverton
Ribeiro bateu na bola com a delicadeza com que um beija-flor beija a flor. Gol.
Vitória
do Flamengo, após três rodadas. E a manutenção do cheirinho, linda postura de
sua torcida apaixonada, que sempre acredita.
Um
cheirinho de esperança e que se transformou, por um bom tempo, em um
desagradável cheiro de coisa muito ruim. Foi quando Juan, ao contrário de
Márcio, foi infiel ao seu passado e à sua história e errou feio, no início do
segundo tempo, permitindo o chute de Henrique Almeida que valeu o empate.
Rafael Vaz não conseguiu ajudar. Deu a lógica.
Dizem
que toda vitória é igual, vale três pontos. Essa, contra o Coxa, manteve a
esperança de um cheirinho campeão – remota – e trouxe de volta a tranquilidade
para Zé Ricardo trabalhar. Até o próximo empate.

COMENTÁRIOS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here