“Flamengo só lança seus jovens no sufoco”, critica Gilmar Ferreira

12
Felipe Vizeu cabeceando em Flamengo x Grêmio – Foto: Gilvan de Souza

GILMAR
FERREIRA:
Com um semestre percorrido e um terço da tabela do Brasileiro já
cumprido, é possível ter a certeza de que dos quatro clubes do Rio de Janeiro o
Flamengo, apesar de derrota desta quarta-feira para o Grêmio, é o único que
briga pelo título.

Os
outros sonham: o Botafogo com a conquista da Libertadores, o Vasco com a vaga
na fase pré do principal torneio sul-americano em 2018, e o Fluminense com um
lugar na zona intermediária que vale presença na Sul-Americana também do ano
seguinte.
A isso
se dá o nome de cenário.
E A
CONSTRUÇÃO deste panorama leva em conta uma série de fatores, dentre eles os
números percentuais já obtidos ao longo do ano, combinados à perspectiva de
cada um, versus a capacidade competitiva do elenco.
E está
neste quesito, a chamada “competitividade”, o risco do erro.
Se o
Botafogo for eliminado na Libertadores, não estará o time de Jair Ventura em
condições de brigar por uma vaga no G-6?
Terá o
Vasco a mesma força ofensiva sem poder jogar em São Januário?
MAS DE
TODOS os questionamentos os que mais me deixam sem resposta são aqueles feitos
em relação ao que esperar do Fluminense neste Brasileiro.
E
apenas porque acho que nem Abel Braga sabe o que esperar da diretoria do
tricolor, que hoje ainda vende o almoço para comprar o jantar.
O time
ocupa atualmente a 10ª colocação e até o fechamento da janela de transferências
alguns dos melhores jogadores trabalhados até aqui podem ser negociados _ sem
perspectiva de reposição.
ABEL
JÁ UTILIZOU 35 jogadores em 2017, 19 deles formados na base do clube, mais
exatamente os 19 integrados aos profissionais.
Não é
fácil. Representa 54,2% da mão-de-obra levada a campo.
O
Vasco de Milton Mendes usou 14 “pratas-da-casa” (41%) dos 16 que
fazem parte dos 39 do elenco e Jair Ventura também já aproveitou 14 (37,8%) dos
17 que estão no grupo de 37 jogadores.
No
Flamengo, que tem maior capacidade de investimento, Zé Ricardo utilizou apenas
seis (17,6%) dos 14 da base.

NESTA 13ª rodada completada ontem o Fluminense usou oito jogadores revelados no
clube entre os 14 utilizados por Abel Braga no clássico com o Botafogo _ Jair
Ventura, três.
O
Vasco goleou o Vitória com cinco trabalhados na base e o Flamengo, apenas dois.
O que
faz com que a gente enxergue direitinho que no futebol brasileiro os clubes só
lançam seus jovens quando estão no sufoco…

COMENTÁRIOS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here