GEPE fará trabalho à parte com a Mancha em jogo do Flamengo

31
Ilha do Urubu, estádio do Flamengo – Foto: GIlvan de Souza

ESPN: O
Gepe (Grupamento Especial de Policiamento em Estádio) do Rio de Janeiro vai
checar identidade por identidade dos torcedores palmeirenses na Ilha do Urubu,
para o jogo entre Flamengo e Palmeiras, nesta quarta-feira, pelo Campeonato
Brasileiro. O objetivo é impedir que vascaínos que estejam na lista de
impedidos se infiltrem entre os alviverdes, além de verificar se entre os
próprios palmeirenses há alguém que esteja proibido de frequentar
estádios. 

O
procedimento já foi adotado em dois jogos pela Policia Militar do Rio este ano.
Com os corintianos que jogaram contra o Vasco, em junho, e com a torcida do
Flamengo, que também visitou o Vasco, em São Januário, no dia da guerra entre
vascaínos que acabou interditando o estádio.
O
Flamengo disponibilizou 1 mil ingressos aos visitantes, o que dá 5% da
capacidade do estádio, o mesmo oferecido no Allianz Parque. Dentre eles, há 200
gratuidades e 100 cortesias. Tanto a Polícia Militar quanto o Flamengo
aumentaram o número de policiais e seguranças particulares para a partida. O
Flamengo contará com cerca de 20% stewards adicionais para o jogo, num total de
mais de 300 homens.
Embora
o nível de alerta tenha sido elevado por parte das autoridades policiais, após
o recebimento de ameaças de união entre as torcidas do Palmeiras e do Vasco, na
internet, o comandante do Gepe, major Silvio Luís, elogiou a postura da
principal organizada do clube paulista, a “Mancha Alvi Verde”, que na
última semana entrou em contato para se apresentar e marcar uma reunião.
“Eles
estão com uma diretoria nova e entraram em contato para se apresentar. Achei a
postura correta. Fizemos a reunião na semana passada e eles disseram que vão
respeitar o combinado. Vamos fazer a escolta deles para que não tenha nenhum
problema”, disse o comandante.
Para
checar as identidades no dia do jogo, o batalhão levará à Ilha do Urubu um
computador com acesso às diversas listas de impedidos.
“Isso
facilita a identificação. Tem nos ajudado bastante”, disse o major. 

COMENTÁRIOS: