“O Flamengo mudou minha vida”, diz Fillol

11
Foto: Divulgação

UOL:
Messi, Maradona ou Di Stéfano?

Se
há polêmica para definir o maior jogador argentino de todos os tempos, existe
unanimidade para eleger o melhor goleiro da história. Ninguém contesta que
Ubaldo Matildo El Pato Fillol foi – e continua sendo – o maior arquero da
Argentina. Seguro.
Fillol
está com 67 anos e vive em Buenos Aires. Sua ocupação atual é trabalhar como
embaixador do River Plate, onde viveu seu auge como goleiro na década de 70. El
Pato percorre a Argentina contando histórias como ídolo do clube de Núñez e da
seleção campeã da Copa do Mundo de 1978. Mas poucas experiências o marcaram
tanto quanto defender o Flamengo nos anos de 1984 e 1985.
”Eu
falo hoje para as pessoas e elas não acreditam que joguei no Maracanã para 200
mil pessoas”, disse o goleiro ao blog. Não eram 200.000 pessoas, tudo bem –
mas o público de 150.000 torcedores, bem real, já é grandioso o suficiente.
”O
Flamengo mudou minha vida. Depois de defender aquele gol, não há ser humano que
não se modifique pelo menos um pouco. Eu já era bem experiente, tinha disputado
três Copas, mas poucas vezes me emocionei tanto quanto depois de atuar diante
de tamanha multidão. Era uma loucura.”
”A
torcida argentina é mais apaixonada, ninguém discorda, mas não dá para
discordar também que o carioca te dá um banho de alegria. A energia que o
Maracanã tinha naqueles tempos era uma coisa realmente de outro mundo. Os
argentinos amam o Rio, têm uma visão muito boa da cidade, e disfrutar tudo
daquela maneira foi algo que realmente me tocou para sempre.”
”Não
teve a menor rivalidade Brasil-Argentina, nenhuma hostilidade, nada. Os
cariocas vão morar no meu coração para sempre. Quando digo que o Flamengo mudou
minha vida, digo que mudou de uma maneira feliz, pude ver como as pessoas
viviam muito alegres, de forma bastante diferente da Argentina.”
”Não
mantenho muito contato, mas fiz enormes amigos naquele tempo. O Zico era ótimo.
Un tipazo!  Eram ótimos tempos, de ótimos
jogadores. Falava muito em campo com Jorginho, Leandro e Mozer, que jogavam
logo diante de mim. Todos excelentes em campo, excelentes pessoas.”
Fillol
segue o noticiário do Flamengo pela internet, mas se recusa a opinar sobre a
polêmica escalação do goleiro Alex Muralha diante do Santos: 

”Qualquer coisa
que eu diga de tão longe seria uma falta de respeito com todos que trabalham no
clube. A única coisa que posso contar é a minha experiência pessoal, e ela no
Flamengo me mostrou que é uma posição que te exige 100%, que você precisa estar
muito preparado para lidar com as cobranças. A torcida te leva de um lado para
o outro com a mesma facilidade, e quem trabalha precisa ser muy ponderado”.

Ele
está otimista com o futuro de Diego Alves no clube: ”Como atuou na Europa e na
seleção, tem bagagem para render no Flamengo. Vai ser uma questão de atitude e
personalidade, porque técnica ele tem, isso está claro demais”.
Neste
fim de semana de Corinthians x Flamengo, Fillol lembra de um duelo em
particular que marcou sua carreira – o 4×1 Corinthians pelas quartas de final
do Brasileiro de 1984: 

”Era difícil ganhar do Flamengo daquele jeito, mas o
Corinthians tinha um time bem forte, não tivemos mesmo muito o que fazer”.

Em
1985, já aos 35 anos, e com uma irresistível proposta do Atlético de Madri,
Fillol deixou o Rio, mas seguiu brilhando. Mesmo em fim de carreira, era um dos
melhores goleiros em atividade na Europa. El Pato pendurou as luvas aos 40
anos, no Vélez Sarsfield – e pegando um pênalti contra o River, seu ex-clube,
em pleno Monumental de Núñez. Seu legado na Argentina é enorme. Desde 2008, ao
fim de cada temporada, o goleiro menos vazado do país recebe o Prêmio Ubaldo
Fillol.

COMENTÁRIOS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here