O Flamengo também faz o invicto sofrer

20
Jogadores do Flamengo comemorando gol contra o Corinthians, na Arena Itaquera – Foto: Alexandre Schneider/Getty Images

FOLHA
DE SÃO PAULO
: PVC

O
Corinthians demorou dez minutos para ter menos tempo de posse de bola do que o
Flamengo. Das doze vitórias da equipe no Campeonato Brasileiro, oito foram com
o adversário pressionando no campo ofensivo. No domingo (30), o jogo foi
diferente.
O
Flamengo teve mais a bola e o Corinthians sofreu mesmo assim no segundo tempo.
Mas,
no instante seguinte à estatística mostrar a característica corintiana, 11º
minuto de partida, Jô fez gol mal anulado por Ricardo Marques Ribeiro.
Parecia
o retrato deste campeonato. Em 70% das partidas, quem passou mais tempo
trocando passes não venceu.
Quando
Jô fez 1 x 0 e valeu, aos 22 da primeira etapa, o time de Fábio Carille tinha
63% de seus passes no campo de defesa. Um deles foi especial. A bola roubada
por Balbuena na frente de sua grande área resultou em arrancada e no
lançamento, nascido atrás da linha central e recebido na frente do goleiro
Diego Alves. Jô não desperdiçou.
O que
Balbuena tem jogado é uma enormidade! O melhor zagueiro do Campeonato
Brasileiro, de longe, símbolo da defesa menos vazada.
Antes
do Corinthians de 2017, oito gols sofridos, só o São Paulo de 2007 chegou ao
17º jogo com sete gols sofridos. O Palmeiras de 1973 foi vazado menos do que os
recordistas dos pontos corridos -quatro vezes.
A
vitória sobre o Flamengo anteciparia o título do primeiro turno. Embora
simbólica, a conquista tem valor pela lembrança de que só três vezes, em quinze
campeonatos, o líder da primeira metade não foi campeão em dezembro.
O
sucesso do Corinthians é proporcional à instabilidade do Flamengo. Nas partidas
mais difíceis, a equipe de Zé Ricardo sofre gols repetidos em jogadas
semelhantes.
Contra
o Cruzeiro, o Coritiba e o Corinthians, o espaço entre o zagueiro central e o
lateral direito ficou enorme. A finalização certeira do adversário saiu dali.
O
Flamengo sofreu 14 gols no Campeonato Brasileiro e seis de contra-ataque (42%).
O Corinthians marcou 27 vezes, seis em contra-golpes (22%). Não é justo dizer
que Fábio Carille faz seu time jogar de apenas um jeito.
Mas
que gosta de atrair o adversário e ser traiçoeiro na retomada de bola, ele isso
gosta.
Só que
o Flamengo cresceu muito no segundo tempo e sua melhora teve como
característica empurrar o Corinthians para seu campo de defesa. Empatou a
partida em cobrança de escanteio, falha de Pedro Henrique. Quase fez o segundo
gol numa finalização errada de Diego, por cima de Cássio.
Dos
oito gols sofridos pelo Corinthians, seis nasceram de cruzamentos. A suspeita é
de que a dificuldade de entrar na área de Cássio trocando passes faz o rival
desesperar-se e apelar ao jogo aéreo.
O
empate no final do jogo premiou a boa atuação rubro-negra na segunda etapa e
reforça a certeza de que o Campeonato Brasileiro não está decidido, mesmo com a
ampla vantagem corintiana.
Nas
últimas quatro rodadas, o Corinthians não venceu três vezes. O ponto é que
alguém aproveite os pequenos vacilos. Enquanto ninguém consegue, Carille chega
à maior invencibilidade no início de uma campanha.
O
Flamengo de 2011 chegou à 16ª rodada sem derrota. O Corinthians já está no 17º
jogo e ninguém conseguiu vencê-lo.

COMENTÁRIOS: