Para Eric Faria, Santos quer desviar foco de eliminação

99
Eric Faria, repórter da Globo – Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

UOL: Envolvido
em polêmica por conta do pênalti anulado pela arbitragem a favor do Santos no
duelo contra o Flamengo na última quarta-feira, o repórter Eric Faria, da Rede
Globo, disse que recebeu ameaças de morte pela internet. Em participação no
programa “Redação SporTV” desta sexta-feira, o profissional da
emissora relatou suas impressões depois de que o cube paulista pediu anulação
do jogo válido pela Copa do Brasil por conta de uma suposta interferência do
jornalista na marcação do árbitro Leandro Vuaden.

“Gostaria
de dizer que tudo isso é muito chato. Gostamos de vir aqui para falar de
futebol. Está virando uma coisa muita maluca que não gostamos ver. Estar aqui
falando de uma acusação leviana, falsa que está me dando dor de cabeça em rede
sociais. Já recebi um monte de ameaça de morte, que se for na Vila vou sair de
camburão do IML, tomar pedrada, paulada. Mais do que um repórter, tem um
cidadão, um pai de familia. Tenho um menino d e 10 anos que me mandou um
Whatsapp e perguntou se estava tudo bem neste rolo todo”, contou ao
programa “Redação Sportv”.
“A
troco de que isso? Falamos tanto de não violência no futebol e um clube da
grandeza do Santos não preciso disso. A história do Santos é linda, é
belíssima. Sinceramente, desviar o foco de uma derrota com uma acusação sem pé
nem cabeça…”, completou.
Sobre
o lance em si, Eric Faria voltou a dizer que não teve nenhuma interferência no
lance. Ele, inclusive, citou que haviam outros repórteres ao seu lado e não há
nenhuma imagem apresentada pelo Santos que comprove a acusação.
“Foi
um lance muito rápido, eu estava perto no banco… Tudo na Vila é muito
apertadinho, o estádio é pequeno. Aqui no centro fica o banco do Santos e do
Flamengo, a mesa da arbitragem no meio e os repórteres que tem direito de fazer
o jogo, que não era só a TV  Globo como
diz o Santos, o repórter da Fox (Fernando Caetano) estava também do meu
lado”, disse.
“Você
vendo ali fica em duvida, quem tinha tocado na bola dava para receber. Se tocou
antes ou depois fica difícil saber. Não sou árbitro, mas o Flávio (quarto
arbitro da partida) tem mais experiência neste tipo de lance”, disse.
Em seu
relato, ele analisa que três fatores podem ter interferido na decisão da
arbitragem de voltar atrás no lance: a reação do banco do Flamengo, a falta de
convicção na marcação de Vuaden e a falta de visão do árbitro lance.
“O
que gira em torno são os gestos de quem estava de fora e dentro, você percebe o
tamanho do lance. Quando acontece o apito do Vuaden, a reclamação do banco do
Flamengo é muito forte. Todos foram em cima do árbitro, foi muito rápido. O
jogador percebeu a visão de que o Rever tocou na bola”, disse.
“Houve
também um pouco de indefinição de ele marcar o pênalti. Ele vai caminhando,
caminhando e aponta, sem muita convicção. Juntando a reclamação do banco muito
forte, a indefinição e a visão dele, as 3 coisas somadas deram a certeza ao
Flávio (quarto árbitro) que não foi pênalti. E ele chama o Flavio… e como o
Vuaden estava na dúvida, e o Flávio diz que o jogador  tocou na bola, ele optou por voltar
atrás.”, completou.

COMENTÁRIOS: