Reforço do Flamengo, Diego Alves não deixa saudade no Valencia

69
Diego Alves trocou o Valencia pelo Flamengo – Foto: Divulgação

LANCE:
Diego Alves defendeu a meta do Valencia durante seis temporadas. Além de boas
exibições, se notabilizou pela capacidade assustadora de defender pênaltis.
Nesta semana, ele aceitou o desafio e, visando a Copa do Mundo de 2018, assinou
com o Flamengo até dezembro de 2020.

Na
Espanha, onde Diego também atuou no Almería (de 2007 a 2011), a repercussão não
é alarmante. Uma bisbilhotada em sites estrangeiros nos faz perceber, em geral,
um tom neutro em relação à saída do arqueiro, que era titular da equipe do
Mestalla. Em tempo: o Valencia anunciou o brasileiro Neto, ex-Juventus, para a
posição.
Um dos
diários mais populares do país , o “Marca” promoveu uma enquete
direcionada à torcida do Valencia. Nela, há três opções na pergunta sobre a
saída do arqueiro da Seleção Brasileira: “Ele fará falta pois demonstrou
um bom nível”, “Não fará falta pois Neto e Jaume Doménech são bons
goleiros” e “Só fará falta nas cobranças de pênaltis”. Até o
momento, com pouco mais de mil votos, a última opção é a mais clicada pelos
internautas (com cerca de 40% da preferência; veja abaixo). 

No
mesmo diário, o cronista Luis Alberto Díaz conta um pouco da trajetória de
Diego Alves na Espanha. O jornalista chama o brazuca de “carismático”
e detentor de “reflexos surpreendentes”, além de trazer números: um
total de 269 partidas entre Almería e Valencia, com 24 defesas em 50 cobranças
de pênaltis, ao todo.
Já no
jornal “Superdeporte”, de Valencia, a repercussão da chegada de Diego
ao Flamengo é mais volumosa, com detalhes da transferência e as palavras de
maiores destaques na primeira entrevista coletiva do jogador na Gávea,
realizada na tarde da última segunda-feira.
O
maior destaque ficou por conta de um ato falho de Diego Alves, que, em
transmissão ao vivo nas redes sociais, vibrou a chegada… no Valencia,
querendo, obviamente, citar o Flamengo, sua nova casa. A imprensa local se
divertiu, chegando a comparar com a recente gafe cometida por Biglia.
Como
não poderia ser diferente, o jornal também ecoou a despedida de Alves com a
própria voz. A opinião é oriunda de Julián Montoro, que criticou a postura da
diretoria do Valencia ao negociar seus jogadores – citando o exemplo,
inclusive, de Enzo Pérez, que assinou com o River Plate.
Para
Montoro, a idade de Diego Alves (32 anos) pesou para que o Valencia não
conseguisse protagonismo no mercado ao arranjar um negócio de peso
financeiramente – o que era o esperado pela diretoria.
– Ele
(Diego Alves) tem 32 anos e um preço alto para muitos clubes, mas é um bom
goleiro e tem o seu valor. O fato é que nenhum grande clube na Europa
se
interessaria em contratá-lo, seja no verão (europeu) passado ou agora. No fim,
teve que deixar o Valencia, cumprindo seu desejo de assinar com um grande
clube, embora tenha sido no Brasil. Agora vamos aguardar as contratações
pedidas por Marcelino (García Toral, novo técnico), já que, neste ritmo, vai
ficar só com o chassi – opinou o jornalista Julián Montoro.

COMENTÁRIOS: